Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

Pausa férias : Correr por um Sonho, filme & livro baseado em factos reais

 

filme-race-girl-poster-pt.jpg

 

Correr por um Sonho

Rachel Griffiths, 2019

https://www.imdb.com/

 

Em 2015, a jóquei Michelle Payne tornou-se a primeira mulher a vencer a prestigiada corrida de cavalos australiana Melbourne Cup.

 

O filme Correr por um Sonho tradução de Ride like a Girl é baseado na história desta jovem jóquei australiana. Com Teresa Palmer no papel de Michelle Payne, e Sam Neill, no papel de seu pai, Paddy Payne conta  a história de Michelle e do seu pai, o treinador Paddy Payne, que ensinou a arte da equitação e corrida a todos os filhos.Uma famíla numerosa.

 

filme-race-girl-poster.jpg

 

Race Like a Girl

Rachel Griffiths, 2019

https://www.imdb.com/

 

Crescendo num rancho típico em Miners Rest, perto de Ballarat, no centro de Victoria, Austrália, Michelle é a filha mais nova de dez filhos de Paddy e Mary Payne. Tragicamente, a mãe de Michelle, Mary, morreu num acidente de automóvel quando Michelle tinha apenas seis meses de idade, deixando Paddy sozinho a criar os dez filhos.

 

Todos os imãos são treinados pelo pai, conhecido treinador. Mas um dia, uma das filhas morre numa corrida. E ele desiste de treinar os filhos, e não permite que Michelle, a mais nova, continue o sonho de entrar na Melbourne Cup. Mas Payne não é para se dar por vencida.

 

 

filme-race-girl-michelle-payne1a.jpg

 

Michelle Payne & Prince of Penzac

créditos: Getty Images

https://michellejpayne.com.au/

 

A verdadeira Michelle Payne:

 

Miichelle J. Payne, nascida no dia 29 Setembro 1985,  uma jóquei australina. Ela  ganhou a Taça de equitação Melbourne 2015, com o cavalo Prince of Penzanc, tornando-se  a  primeira jóquei feminina a ganhar esse grande evento.

 

A carreira de Michelle teve muitos desafios. Em 2004, com apenas 18 anos, Michelle sofreu um acidente no Handicap Torbek em Sandown. A 100 metros de vencer, o cavalo caiu e o acidente deixou Michelle com fracturas no crâneo que lhe causaram lesões cerebrais, deixando-a quase impossibilitada de andar em muito menos de voltar a montar e voltar às competições.

 

 

filme-race-girl-michelle-payne2.jpg

 

Michelle Payne & Stevie Payne

credits: Michelle Payne

https://michellejpayne.com.au/

 

Mas não desistiu,  recuperou com muita força de vontade, o apoio do pai e irmãos,  a ajuda do seu cavalo.Sobretudo de seu irmão Stevie Paynem com trissomia 21, o seu grande apoiante e companheiro.

 

Começou a sua recuperação com a ajuda de seu cavalo, também . E mais tarde voltou às competições, até que ganhou a Taça Melbourne 2015.

 

 

 

 

Sinopse filme:

 

Desde criança, Michelle Payne (Teresa Palmer) sonhava com o impossível: vencer a Melbourne Cup – uma duríssima corrida de cavalos de 3 quilómetros.
 
 
Filha mais nova de uma família de dez, Michelle é criada apenas pelo pai, Paddy (Sam Neill). Deixa a escola aos 15 anos para se tornar jóquei e depois de algumas dificuldades iniciais, consegue afirmar-se.
 
 
 

filme-race-girl4.jpg

 

 Michelle Payne (Teresa Palmer) & Paddy Payne (Sam Neill)

 

Correr por um Sonho

Rachel Griffiths, 2019

https://www.imdb.com/

 

 
Mas uma tragédia familiar –a que se segue uma queda de cavalo quase fatal – põe fim ao seu sonho. Contudo, apoiada no amor do pai e do irmão Stevie, Michelle não desiste. Contra o parecer dos médicos e apesar dos protestos dos irmãos, ela continua a montar e conhece Prince of Penzance.
 
 

filme-race-girl3.jpg

 

 Michelle Payne (Teresa Palmer) & Paddy Payne (Sam Neill)

Correr por um Sonho

Rachel Griffiths, 2019

https://www.imdb.com/

 

 
Juntos, ultrapassam obstáculos intransponíveis na luta pelo seu sonho: a corrida na Melbourne Cup de 2015, com apostas de 100 para 1. O resto? Passou a fazer parte da história das grandes competiçoes de cavalos.
 
E das mulheres que ultrapassam barreiras a nivel pessoal e geral.
 
 

 

filme-race-girl-michelle-payne-brother1-getty.jpg

 

 Michelle & Stevie Payne

créditos: Quinn Rooney/Getty Images

https://michellejpayne.com.au/

 
Importante realçar o apoio verídico, atento, de seu irmão Stevie Payne, com Trissomia 21, cuja sensibilidade o fazia entender melhor do que ninguém os cavalos e a ajudou na preparação de Prince of Penzance, acompanhando a irmã Michelle em todas as competições.
 
 

É a estreia da actriz Rachel Griffiths, como realizadora. Não sei se lembram ou viram a série televisiva Irmãos e Irmãs?  Pois é! Rachel fazia o papel de irmã mais velha. Uma série de qualidade.

 

filme-race-girl-book.jpg

 

Ride Like a Girl

Life as I Know It

Michelle Payne & John Harms

https://www.amazon.com.au/

 

O livro Ride Like a Girl, escrito por Michelle Payne com apoio de John Harms que deu origen ao filme não está traduzido em português. Talvez, brevemente, quem sabe?

 

Actividades de férias:

 

  • Ir ver o filme ao cinema - já estão a funcionar com todas as condições de higienização - com amigos ou família. Não esqueçam a máscara! É obrigatória! E que não fosse, já sabem que passou a ser uma medida de sgurança.

 

  • Também podem comprar o DVD ou alugar num clube de víseo da vossa operadora.

 

Também podem segui-la nas redes sociais Instagram ou Twitter.

 

  • Ler o livro em inglês. Podem comprar o livro ou e-book na vossa livraria. Ou encomendar online.

 

  • O ebook também está disponível para leitura digital em Ebooks.com : computador ou smartphone.

 

 

Bom, só posso desejar-vos boas férias. E preparados para retomar as aulas presenciais a partir de 14 de Setembro!

 

Nao esqueçam de visitar o blog em língua francesa

 

A Professora GSouto

 

05.08.2020

 

Licença Creative Commons

Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor : Qual é o teu livro favorito ?

 

dia-mundial-livro2020.jpg

 

Dia Mundial do Livro 2020

illustração: Mariana Rio

https://www.facebook.com/rbeportugal/

 

O Dia Mundial do Livro celebra-se hoje envolto em restrições devido à pandemia de Covid-19.

 

Como sabemos, este dia relembra autores tão importantes como William Shakespeare, ou Miguel de Cervantes, entre outros.

 

Para o poster deste ano, foi convidada a ilustradora Mariana Rio, que desenhou a ilustração dedicada à efeméride, tendo em conta que este é um ano difícil para quem faz, vende, e lê livros.

 

A ideia base?  As pessoas também são feitas de livros e de leituras, e por isso Mariana Rio desenhou duas pessoas a conversarem e, numa espécie de radiografia ao corpo, percebe-se que também são feitas de livros.

 

Google Doodle:

 

 

Dia de São Jorge

illustrador: Robin Davey

https://www.google.com/doodles/

 

Celebra também São Jorge. E Google não esqueceu o Doodle comemorativo do nascimento deste santo que está associado ao Dia Mundial do Livro numa tradição que vem da Catalunha. Este ano, o seu ilustrador é Robin Davey.

 

Mais do que nunca, num momento em que a maioria das escolas em todo o mundo está fechada e  alunos, professores e famílias estão em confinamento, o poder dos livros pode servir de apoio para combater o isolamento, reforçar os laços entre as famílias e amigos, e expandir horizontes.

 

 

@UNESCO

 

UNESCO compartilhará citações, poemas e mensagens para simbolizar o poder dos livros, e incentivar a leitura o máximo possível. Infelizmente não há tradução dessas citações em Português. Apenas em quatro línguas.

 

Ao criar um sentido de comunidade através de leituras compartilhadas, os leitores de todo o mundo podem conectar-se e e apoiar-se mutuamente para ultrapassar a solidão.

 

 

 

Actividade:

 

  • No Dia Mundial do Livro, qual é o teu livro favorito?  Participa, indicando qual é o teu livro favorito nas tuas redes sociais.

 

  • Cria e compartilha uma mensagem positiva apoiando em leituras que tenhas feito. Usa hashtags #FiqueEmCasa #DiaMundialDoLivro #StayAtHome ou #WorldBookDay.

 

A Professora GSouto

 

23.04.2020

 

Licença Creative Commons

Vamos ficar todos bem ! Andrá tutto bene !

 

 

https://adsccl.pt/

 

A ideia é originária da Itália ou de Espanha, e está a ser difundida por muitos países. Reino Unido e Portugal também já aderiram

 

 A ideia é dar esperança, e tem resultado na Itália. Uma revista Happy Kids, uma revista para miúdos, quer continuar a iniciativa em Itália. Pede às pessoas que criem um cartaz com o arco-íris e a mensagem “Vamos todos ficar bem”.

 

Esta mensagem positiva poderá ajudar a superar o isolamento, cada vez que algum “vizinho” olhe para a sua janela.

 

 

 

Miguel Geraldes, 4 anos

https://www.regiaodeleiria.pt/

 

O objectivo é realizar esta actividade com os miúdos, para se entreterem durante este período de quarentena em casa, e depois afixar o resultado na janela, de forma a enviar uma mensagem positiva para todos os vizinhos.

 

 

vamos-todos-ficar-bem.jpg

 

 

Desta forma, as crianças têm mais uma coisa para fazer em casa, numa altura em que as escolas estão fechadas, e os miúdos e mais graúdos habituados a sair todos os dias, ficam fechados em casa pelo menos duas semanas.

 

Vamos aderir a esta ideia? Não esqueçam : hashtag  #vamostodosficarbem.

 

 

 

 

Também um cantautor Flávio Cristóvam, açoreano, natural da ilha Terceira, e vencedor do International Songwriting Competition, em 2018, foi o criador deste projecto que contou com a ajuda do realizador lisboeta, e amigo, Pedro Varela — tudo à distância, e a partir de suas casas.

 

Tornou-se viral e é da autoria destes dois portugueses, o cantor e compositor Flávio Cristóvam e o realizador Pedro Varela. Chama-se “Andrà Tutto Bene”, ou “Vai Ficar Tudo Bem” (em português) e é um videoclip que já conta com mais de 140 mil visualizações em quatro dias.

 

No vídeo viral é possível ver imagens a preto e branco de cidades vazias, desinfecção de ruas, pessoas com máscaras e uma rapariga, em casa, que mostra folhas brancas com partes da letra do tema, em várias línguas.

 

A música é cantada maioritariamente em inglês, mas há excertos noutras línguas como português, italiano ou castelhano.

 

“Isto é para os que estão em casa e sobretudo e em especial para os que estão lá fora… a proteger-nos”, escreveu o realizador no Instagram, partilhando o videoclip.

 

Vamos todos ficam bem

 

A Professora GSouto

 

29.03.2020

 

Licença Creative Commons

 

 

Oficinas de São João para os mais novos na U.P.

 

 

up-sjoao.jpg

 

Oficinas de S. João

Universidade do Porto

https://sigarra.up.pt/reitoria/pt/

 

Aproxima-se a comemoração do São João no Porto. A Universidade do Porto celebra o São João, a maior festa da cidade, onde as ruas se enchem de “martelinhos” e alhos-porros.

 

Numa época festiva em que se vivem por todo o país as noites e os dias mais longos do ano com a comemoração dos Santos Populares, a Unidade de Cultura da Reitoria da Universidade do Porto apresenta um programa de oficinas especialmente dirigido aos mais novos, mas aberto a toda a família.

 

 

 

créditos: Jujusca crafts

http://www.google.pt/images

 

 

Saber +

 

Os participantes têm um total de seis oficinas onde podem aperfeiçoar as suas habilidades em actividades de expressão plástica e de dança.

 

Dirigidas a crianças e adolescentes entre os 3 e 12 anos, os mais novos podem divertir-se em conjunto com as suas famílias e criar a sua própria personagem de uma cascata sanjoanina ou um manjerico enlatado para o oferecer a alguém especial.

 

 

up-sjoao1.jpg

 

Oficinas de S. João

Universidade do Porto

https://sigarra.up.pt/reitoria/pt/

 

O programa inclui ainda um peddy-paper com o objectivo de descobrir as tradições de São João e, em conjunto com a família, decifrar enigmas, aceitar desafios e executar algumas tarefas, num sessão que promete muitas surpresas ao longo da tarde.

 

Entre as 17h30 e as 19h00, o Núcleo de Etnografia e Folclore da Universidade do Porto (NEFUP) junta-se à festa para ensinar a miúdos e graúdos alguns passos de danças tradicionais portuguesas.

 

Quando:

 

No dia 17 de Junho, entre as 15:00 e as 19:00 horas, decorrem as Oficinas de São João, dedicadas aos mais novos.

 

Onde: 

 

Reitoria da Universidade do Porto

 

 

up-sjoao4.jpg

 

Quadras populares

São João

http://www.pinterest.com

 

Informações +

 

Os interessados podem adquirir o Passaporte S. João até ao dia 16 de Junho, pelo preço de 7 euros por criança, ou no dia 17, por 8 euros.

 

Na venda antecipada os membros da U.Porto poderão usufruir de um desconto de 10%.

 

O acompanhamento por pelo menos um adulto é obrigatório e a participação do(s) adulto(s) é gratuita.

 

Inscrições:

 

As inscrições poderão ser efetuadas AQUI


Informações: cultura@reit.up.pt

 

As aulas estão mesmo a terminar. Nada melhor do que actividades de lazer para vossas férias! E para as famílas que assim podem preencher os tempos livres dos mais novos.

 

A Professora GSouto

 

14.06.2017

 

Licença Creative Commons

 

Lágrimas por Manchester : Como explicar ?

 

manchester2.jpg

 

 

"Estar de bem com a matemática é estar de bem com a vida. Respirar x vezes por hora é fundamental. Existe paz no rosto esculpido de Pitágoras. E a paz não se troca por nada porque inclui tudo o que é necessário."

 

José Luís Peixoto, Abraço

 

o mundo acordou de novo mais triste, hoje ! Manchester, no Reino Unido, foi ferido no coração, na noite de ontem, 22 Maio 2017. Na enorme sala de eventos da cidade, Manchester Arena, onde cerca de 21 000 crianças e adolescentes e seus familiares assistiam a um concerto da jovem pop star norte-americana Ariana Grande. No final do concerto, ouviu-se uma explosão que ocorreu no exterior da sala, já no foyer, onde muitos outros pais aguardavam as filhas e filhos.

 

 

ariana-grande6.jpg

 

Pray for Manchester

 

"Despedaçada. Do fundo do meu coração, sinto muito. Não tenho palavras"

 

Ariana Grande, Twitter

 

Mas, no site oficial da pop cantora, nem um curta alusão ao sucedido. Uma prece, palavras de apoio a todos os pais que perderam os filhos, às suas jovens fãs que continuam hospitalizadas? Algo está errado por parte da cantora.

 

No concerto de Ariana Grande estavam, na sua grande maioria, crianças e adolescentes. Infelizmente entre as muitas vítimas, há crianças e adolescentes abaixo dos 16 anos.

 

As duas primeiras vítimas identificadas são duas meninas, uma de oito anos e outra de 15 anos. Nas redes sociais, pais deixam a mensagem com a hashtag #missingmanchester num apelo desesperado para encontrar as filhas, os filhos.

 

 

 

Ariana Grande

@ManchesterArena

 

Testemunhas descreveram que Ariana se despedia do público e as luzes se acendiam no pavilhão, quando uma grande explosão provocou o pânico entre os presentes, que correram desnorteados tentado sair da enrome sala.

 

No entanto, pelo que ouvi nas redes sociais, a direcção do Arena esteve sempre a apoiar os presentes, apelando à calma de modo a não provocar mais vítimas, e confirmando que na sala tudo estava tranquilo. No site oficial do Manchester Arena podem ler-se todos os dias mensagens de condolências, de apoio às vitimas. A útima é:

 

"Always Remmber,

Never Forget

Forever Manchester."

 

O que não se passa no site da pop cantora Ariana Grande! Ariana! Há crianças mortas pelo facto de te amarem e quererem expressar a sua admiração ao estar presentes no teu concerto! 

 

 

Manchester está em todos os meios de comunicação social. Jornais, televisão, redes sociais, internet. Nas redes sociais, sucedem-se as mensagens de #PrayforManchester de todos os internautas. Cantores, artistas, jogadores de futebol, adolescentes, pais, público anónimo.

 

 

 

Manchester Arena

http://www.manchester-arena.com/

 

Perante os nossos olhos tristes, as imagens de ontem à noite, 22 de Maio, e hoje, 23 Maio, massacram os nossos corações. Crianças? Pais que para ver a alegria das filhas e filhas no concerto da sua cantora preferida, são apanhados na saída? 

 

Que humanidade é esta em que vivemos? É a pergunta que martela nosso pensamento.

 

Como é que pessoas que sentem como nós, são capazes de fazer algo tão terrível! Atingir crianças, adolescentes, pais, famílias?

 

 

manchester1.jpg

 

 

Homenagem em Manchester

http://i3.mirror.co.uk/

 

Continuamos sem entender. Não há motivos que levem a matar crianças e adolescentes, mesmo que o façam em nome de algo em que acreditam.

 

Professores, animadores extra-curriculares, pais, educadores em geral, sentem a dificuldade de falar com alunos, educandos sobre o trágico acontecimento que teve lugar ontem à noite, no final o concerto de Ariana Grande, em Manchester.

 

Hoje, amanhã, toda a semana, falaremos nas nossas aulas, em casa, mas sobretudo ouviremos. Sim, ouvir o que os alunos nos querem dizer, deixar que exprimam as emoções sobre o ataque no final do concerto de Ariana Grande, em Manchester.

 

É conveniente, de qualquer modo, preparar alguns recursos pedagógicos para dialogar com os alunos.

 

 

ariana-grande2.jpg

 

 

Ariana Grande, concerto Manchester Arena

 https://www.thesun.co.uk/

 

Que dizer aos alunos : 

 

Pelo facto do atentado ter ocorrido no final de um concerto de um dos ídolos pop das crianças e jovens, faz com que, provavelmente, as crianças e adolescentes se sintam mais identificados e estejam mais sensíveis às notícias, às imagens devastadoras. É também natural que as dúvidas e perguntas em torno deste terrífico acidente vindas da faixa etária a que pertencem, surjam com mais expressão: falar, contar, opinar

 

Os alunos mostrar-se-ão apreensivos, quererão contar o que viram, dar a sua versão, perante o que ouviram nos meios de comunicação social, nas redes sociais que frequentam. E também que ouviram em família.

 

 

 

 

“Neste momento, a questão da violência e do terrorismo estão na ordem do dia e devem ser discutidas. Não é possível abafar a informação e não parece que esconder informação seja a melhor abordagem”.

 

Filipa Silva, psicóloga clínica

 

 

Tributo em Bolton, UK

http://www.theboltonnews.co.uk/

 

Algumas considerações para reflectir:

 

Como encontrar as palavras adequadas para cada nível etário?  Sim, vai ser necessário falar. Mas essencialmente ouvir os alunos. E responder, deixando passar a mensagem que nem sempre temos resposta para as suas perguntas. É importante dar esse lado humano.

 

  • Se estiver em aula, solicitar aos alunos um minuto de silêncio, depois de lhes ter explicado a simbólica do gesto que poderá ser universal.
  • Ouvir o que os alunos entenderam, partindo das notícias ou comentários, imagens reais ou posters. Rectificar o que não compreenderam bem. E depois responder às dúvidas, interrogações, alguma angústia. Informações fundamentadas, ou a vossa maneira pessoal de como viveram estes dois dias.
  • Passar alguns das imagens #PrayforManchester que se vão difundindo nas redes sociais. Deixar que os alunos exprimam o que entendem de cada imagem.
  • Ligar ao atentado de Charlie Hebdo e solicitar aos alunos que se exprimam sobre valores: tolerência, respeito pela vida humana, e pela identidade cultural de cada um.
  • Fazer passar a compreensão das ideias e opiniões dos outros, fomentar o diálogo, ajudar a desenvolver o sentido crítico, a condenação de todo o tipo de intolerância, valorizar valores como solidariedade e respeito pela diferença.

 

Bem conscientes das suas responsabilidades, mais fragilizados, também, os professores apresentar-se-ão diante dos seus alunos, nas salas de aulas previamente preparados para estabelecer o diálogo.


Lembremos que todos temos alunos de várias religiões, diferentes 
etnias, nas nossas salas de aula.Todos são amigos, e se respeitam nas suas diferenças.

 

Todos nos respeitamos nas nossas diferenças, e preservamos a essência humana.

 

O mundo está mais triste. Estamos todos, hoje, menos livres, mais inseguros. Mas juntemos as nossa voz a #PrayforManchester.

 

A Professora GSouto

 

23.05.2017

 

 Licença Creative Commons

 

Mini-conferência : Teatro Maria Matos, para jovens curiosos

 

 

conf-infant1.jpg

 

 http://www.teatromariamatos.pt/

 

 

Há uma miní-conferência para miúdos muito curiosos no Teatro Maria Matos. Tem lugar de 4 a 6 Maio 2017.

 

Vai falar de Utopia, o tema que mais nos tem desassossegado neste ano. É possível explicar o que é a utopia a crianças? Como se faz? Será que conseguimos juntar um conteúdo tão específico à forma de arte quase perfeita para o exemplificar?

 

 

Saber +

 

Este é o desafio. Através de uma série de teatro-conferências ancoradas no universo da não-ficção, os oradores-artistas vão procurar apresentar o mundo e os seus discursos ao público mais jovem.

 

Conceitos complexos e assuntos difíceis com que nos cruzamos no dia-a-dia serão habilmente desconstruídos. Tudo isto, como sugere Marcel Proust, porque se quer que a grande viagem da descoberta nos leve a ver antigas e novas paisagens com um olhar curioso. E, assim, velhas interrogações se tornam novas.

 

conf-infant.jpg

 

 

http://www.teatromariamatos.pt/

 

Não há projectores, slides, comando para os passar ou um palco com lugar de destaque. Haverá uma mesa, um sofá, um sumo de laranja, uns pés de extraterrestre, um orador e uma plateia desassossegada com muita imaginação.

 

Estes os elementos necessários para que a primeira conferência para miúdos curiosos, do Teatro Maria Matos, aconteça e dê resposta à questão:

 

O que é a utopia?

 

utopia-thomas-more.jpg

 

Utopia/ Thomas More

edição juvenil

tradução:  Nílson José Machado & jovem leitor

http://www.extra.com.br/livros/

 

 

Ir + longe:

 

Tentar explicar a crianças que este conceito se traduz numa ideia de civilização ideal, imaginária, ou um sonho de algo que se gostaria muito que acontecesse; e que um dia um escritor, Thomas More, inventou uma ilha chamada utopia e escreveu um livro que é um manifesto para um mundo melhor, não é assim tão simples.

 

É preciso sonhar com uma vida melhor para todos, como na ilha de Utopia, fruto da capacidade de sonhar de Thomas More.

 

Apresentadores:

 

André Leonor, professor de Psicologia e Filosofia, com o apoio dramatúrgico de Maria Gil, vai levar os jovens conferencistas/ espectadores, a partir dos oito anos por uma viagem pela imaginação, para desconstruir e compreender o que é a Utopia.

 

De forma simples, adaptada ao nível etário dos jovens participantes, esta mini-conferência vai assim decorrer. Com acessórios e de personagens reais ou imaginários, "aproximam-se conceitos tidos como complicados de realidades próximas das crianças."

 

 

conf-infant3.jpg

 

 

Alice in Wonderland

150 Anos publicação do livro

Lewis Carrol

https://gsouto-digitalteacher.blogspot.pt/2016/

 

Por exemplo, durante a conferência, na t-shirt do orador André vai estar ilustrada uma das cenas do filme Alice no País das Maravilhas,  o momento em que Alice se encontra com o gato de Cheshire:

 

 

Alice: “Sabes qual o caminho que devo escolher para sair daqui?”


Gato: “Isso depende do sítio onde queres chegar.”


Alice: “Não me importo muito para onde vou, quero mesmo é sair daqui…”


Gato: “Então não importa o caminho que escolhas.”

 

 

conf-infant4.jpg

 

Alice no País das Maravilhas

eidção livro impresso 

https://www.bl.uk/works/alices-adventures-in-wonderland

 

 

É através deste diálogo que André Leonor vai tentar transmitir a ideia de que “a utopia é um sonho especial que orienta e ajuda a escolher um caminho” e que “esta ajuda para se saber para onde se quer ir chama-se utopia”.

 

Além deste momento, vão ser expostas ao público situações que o orador gostava que acontecessem; e outras que os jovens prticipantes sonham e gostariam que acontecessem.

 

Haverá também espaço para recordar pessoas que um dia imaginaram objectos ou eventos que pensavam ser impossíveis, como o paraquedas que um dia Leonardo Da Vinci esboçou; e um espaço para que os mini conferencistas participem e interajam com os elementos da conferência.

 

 

utopia.jpg

 

 

http://www.teatromariamatos.pt/

 

 

Informações úteis:

 

Local: Teatro Maria Matos / Sala de Ensaios

 

Público: crianças e jovens + 8 anos

 

Horários: 4 a 7 Maio 2017

 

Semana: 10:00 horas; Sábado: 16:30 horas; Domingo: 11:00 horas/ 16:30 horas

 

Duração: 30 minutos

 

Preço: 2€

 

Actividades: Escolas e famílias

 

 

A Professsora GSouto

 

03.05.2017

 

Licença Creative Commons

 

 

Referências: Teatro Maria Matos/ Observador