Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

Filipinas: desolação total

 

 

 

 

Destruição nas Filipinas | Tufão Haiyan

foto: autor não identificado

 www.google.com/images

 

A catástrofe que se abateu sobre as Filipinas e que está em risco de se repetir nos próximos dias, segundo as previsões meteorológicas, deixaram-nos profundamente comovidos e sem palavras para descrever o sofrimento dos Filipinos.

 

O mortífero tufão Haiyan, agora denominado Yolanda, devastou todo o centro do arquipélago durante a noite de sexta-feira, dia 8 Novembro 2013, e uma grande parte do dia de sábado, 9 Novembro.

 

A ilha de Leyte foi a mais atingida. Só na capital provincial de Tlacoban há a registar 10 mil mortos1). E falta chegar às populações isoladas.

 

O secretário-geral da ONU Ban Ki-Moon instou à solidariedade e são vários os países e organismos internacionais que já anunciaram o envio de donativos e equipas de emergência para as Filipinas. O Papa Francisco doou cerca de 112 mil euros. 


"Para além da ajuda humanitária, a UE está já a enviar recursos para  a reabilitação e reconstrução possíveis", disse o comissário europeu para  o Desenvolvimento, Andris Pielbags, que viajou para as Filipinas. 

 

As Filipinas decretaram hoje o estado de calamidade perante confusão instalado com o rasto de destruição deixado pelo supertufão Haiyan. A comunidade internacional já está mobilizada na ajuda humanitária, mas uma nova tempestade ameaça agora complicar ainda mais os esforços de socorro.

 


Filipinas

foto: Romeo Ranoco | REUTERS

http://expresso.sapo.pt/


É que uma nova calamidade está prevista para hoje, terça-feira, à noite, 
Novembro 12. O ciclone Zoraida deverá atingir o sul das Filipinas e fustigar zonas já devastadas pelo tufão Haiyan. Previsões de mais inundações compromete a ajuda humanitária, quando continua a haver um número indeterminado de desaparecidos.

 

Os Serviços Atmosféricos, Geofísicos e Astronómicos das Filipinas alertam para chuvas moderadas a fortes, que podem causar inundações e deslizamentos de terras. A depressão tropical que se encontra a pouco mais de 600 quilómetros da cidade de Hinataun, com ventos de 55 quilómetros por hora, segue a mesma trajetória no mar que o Haiyan, embora com menos força, mas poderá intensificar-se antes da sua chegada a terra. 



Criança Filipina

foto: Bullit Marquez | AP

www.google.com/images

  

Entretanto o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) indicou, em comunicado no dia 10 Novembro, que está a acelerar o envio de provisões de urgência para as zonas mais  afectadas pelo furacão 

 

Contudo, "chegar às zonas mais afectadas é muito difícil" porque "os  acessos estão limitados por causa da destruição causada pelo tufão nas infraestruturas  e comunicações".

 

Tomoo Hozumi, chefe da delegação da Unicef das Filipinas

 

A Unicef adiantou que providenciou alimentos para crianças, bem como  água e material higiénico-sanitário para três mil famílias, que serão distribuídos,  assim que os acessos o permitirem, na zona de Tacloban, capital devastada  da província de Leyte. 

 

Alimentos terapêuticos, kits de saúde, kits de água e higiene para apoiar cerca de 3.000 famílias nas zonas afectadas foram já mobilizados a partir dos stocks existentes no país, começou a ser enviado,  por avião, a partir de Copenhaga, na Dinamarca, com distribuição prioritária na zona de Tacloban, assim que o acesso seja possível.

 

Material que inclui sabão, pastilhas purificantes  de água, suplementos nutritivos, mantas e medicamentos, começou a ser enviado,  por avião, a partir de Copenhaga, na Dinamarca. 

 

Guardado num armazém da Unicef, o material permitirá ajudar mais dez  mil famílias, nomeadamente os afetados por um recente terramoto na zona  de Bohol.  

 

 

Crianças Filipinas

foto: Romeo Ranoco | REUTERS

www.google.com/images

 

Segundo as últimas estimativas, cerca de 4 milhões de crianças terão sido afectadas pela catástrofe provocada pelo tufão Haiyan.

 

"À medida que vamos tendo uma imagem mais nítida do impacto desta crise devastadora, não restam dúvidas de que o número de crianças afectadas é superior ao que se pensava inicialmente,” disse ainda Tomoo Hozumi. “A UNICEF está a fazer tudo o que é possível para chegar a estas crianças o mais rapidamente possível com bens essenciais, para proteger a sua saúde, segurança e bem-estar nos dias difíceis que têm pela frente.”

 

A Unicef alertou ainda para o aumento dos riscos de as crianças caírem  em redes de tráfico de menores, lembrando que os mais pequenos necessitam  de "espaços seguros e protegidos para brincar e retomar os seus estudos".

 

Visitem o site da Unicef e vejam se podem auxiliar em algumas das campanhas que este organismo da Nações Unidas está a desenvolver.

 

Todos juntos, poderemos fazer mais.

 

A Professora GSouto

 

12.11.2013

 

{#emotions_dlg.meeting}

 

1) O número de vítimas mortais foi actualizado nas últimas horas pelo presidente filipino. Benigno Aquino declarou à CNN que o número de mortos  deverá situar-se 2 000 et 2 500, contrariamente  aos 10 000 anunciados até hoje.

 

Actualização: 13.11.2013

 

 Licença Creative Commons

'La Promesse' uma escola ! Sonhos desfeitos, vidas perdidas

 

 

 

Haiti

créditos: REUTERS/ Evena St Felix (Haiti)

 

Uma jovem estudante resgatada dos escombros de uma escola que ruiu devido ao simo no Hati, em Port au Prince, Haiti, espera pacientemente pelas equipas de salvação.

 

Pelo menos 84 crianças e professores morreram e 150 ficaram feridos nesta sexta-feira, no desabamento de uma escola de 700 alunos, no bairro pobre de Pétillon-ville, em Port au Prince. Os socorristas tentavam neste sábado encontrar sobreviventes entre os escombros

 

 

la-promesse-haiti2008.jpg

 

 

 créditos: Thony Belizaire/ AFP

via La Dêpeche

 

A escola particular "La Promesse" era frequentada por crianças e adolescentes dos 3 anos aos 20 anoa de uma favela. Era dirigida por um pastor evangélico. 

 

Espremido entre as casas do bairro, o edifício tinha dois andares, e um terceiro estava em construção.

 

 

la-promesse-haiti2008a.jpg

 

créditos: Thony Belizaire/ AFP

via La Dêpeche

 

Na escola de La Promesse decorria o tempo de aulas. Certamente que se ouviria o alegre bulício das crianças e adolescentes, naquela azáfama comum a todas as escolas.

 

Cadernos e livros folheados com mais ou menos atenção, mas com alegria, mãos impacientes, lápis coloridos, vozes que ecoavam nas salas de aulas, questionando determinado assunto, ou apenas aproveitando a distração de algum colega mais brincalhão. Tudo terminou em curtos, mas pavorosos instantes. A esperança silenciou. Professores e alunos ficaram debaixo dos escombros.

 

Essas crianças e adolescentes, certamente nunca ouviram falar de High School musical e da escola de sonho. Mas os livros que percorriam avidamente, na busca de uma nova palavra, um outro som, uma imagem que despertaria a sua imaginação, representavam todo um universo melhor que os transportava para bem longe da realidade do seu dia-a-dia.

 

la-promesse2008.jpg

 

Criança resgatada dos escombros da escola La Promesse

créditos: Autor não identificado

 

Alunos e professores não entenderam, apanhados sorrateiramente, o gemido violento das paredes que desmoronaram de súbito, engolindo-os num esgar horrível, feito de pó e de escombros.

 

Livros cairam com eles, no silêncio aterrador, abandonados. Mãos que jamais voltarão a folheá-los.

 

Uma prece por todos. E que os resgatados consigam ultrapassar o trauma do drama a que assistiram.

 

A Professora GSouto

 

09.11.2008

 

 Licença Creative Commons