Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

O Príncipezinho em mirandês?

 

 

 

 Le Petit Prince

Antoine de Saint Exupéry

http://www.gallimard-jeunesse.fr/

 

Pois é verdade! O clássico de Antoine de Saint-Exupéry, Le Petit Prince (1943), já vendeu mais de 50 milhões de exemplares em todo o mundo. E, segundo a editora francesa Gallimard, é "o livro mais traduzido em todo o mundo depois da Bíblia". Tem já traduções em cerca de 200 línguas,  incluindo dialectos europeus, asiáticos e africanos.

 

Ora talvez não saibam que O Príncipezinho tem uma edição em mirandês, desde Abril 2011. O objectivo da edição de "L Princepico" é dar a conhecer a língua mirandesa escrita, já oficialmente reconhecida desde 1998, que as pessoas falam e ouvem, mas que raramente lêem. 

 

Saber +

 

O mirandês é falado por cerca de 15 mil pessoas numa "área de aproximadamente 500 quilómetros quadrados, a sudeste do distrito de Bragança, ao longo da fronteira com a Espanha, abrangendo o concelho de Miranda do Douro e uma parte do de Vimioso."

 

É óbvio que a edição em mirandês desta obra mundialmente conhecida tem um público reduzido, interessados e coleccionadores. No entanto, é interessante saber que a ASA já editou há alguns anos dois  álbuns do Astérix em mirandês.

 

 

 

 

Asterix L Goulés

Editora ASA

https://1.bp.blogspot.com/

 

 

Asterix L Galaton

Editora ASA

https://1.bp.blogspot.com/

 

A língua mirandesa, segunda língua em Portugal, tem uma forte tradição oral que foi passando de pais para filhos, ao longo dos tempos. Só em 1882 começou a ser investigada por José Leite de Vasconcelos, filólogo, arqueólogo e etnógrafo português, e depois fixada na escrita.

 

Le Petit Prince foi traduzido para mirandês por Ana Afonso e Domingos Raposo. Ana Afonso falou no momento da apresentação à Lusa do “desafio” de traduzir um clássico “cheio de valores” para a sua língua materna. 

 

Esta foi a primeira tradução para mirandês de Ana Afonso, a convite do cônsul de França no Porto, que, em cada lugar que passa, procura línguas ou dialectos para os quais possa traduzir “o seu livro preferido”.

 

 

 

L Princepico, edição em mirandês

Antoine de Saint Exupéry

http://www.leyaonline.com/

 

A edição mirandesa de “L Princepico” foi apresentada publicamente no dia 15 de Abril 2011, no Instituto Franco-Português, em Lisboa, pelo  estudioso Domingos Raposo.

 

Na mesma ocasião, foi apresentada uma exposição de livros e objectos associados ao universo de O Principezinho, pertencentes ao actor e apresentador Pedro Granger, coleccionador e fã do clássico da literatura francesa.

 

E agora, leiamos um excerto de O Principezinho em mirandês:

 

 ·XVIII·

 
L princepico atrabessou l dezerto i só ancuntrou ua flor cun trés folhicas, ua florica ruinica...
- Dius mos dé nuonos dies, dixo l princepico.
"Buones dies mos dé Dius, dixo la flor.
- Adonde stan ls homes?" preguntou l princepico mi educado.
La flor biu, un die, ua recla de giente a passar:
- Ls homes? Hai-los, parece-me, seis ou siete. Abistei-los hai uns anhos, mas nun se sabe adonde stán. L aire lhieba-los dun lhado para outro. Nun ténen raízes i isso trai-le muitos porblemas.
- Adius, dixo l princepico.
- Adius, dixo la flor.

 

Antoine de Saint-Exupéry, L Princepico, ASA

 

Actividades:

 

Será interessante, apresentar na aula de Lingua Portuguesa, um ficha pedagógica com excerto de L Princepico e o Principezinho para que os alunos possam fazer um exercício de comparação entre as duas linguas.

 

Os alunos compreenderão certamente a lingua escrita. No entanto, alertar para o facto de ser mais difícil de entender ao ouvir um falante mirandês.

 

Se houver a possibilidade de convidar um especialista ou falante mirandês para um pequeno workshop sobre o mirandês, seria uma excelente aprendizagem para os alunos.

 

Esperemos que o mirandês possas chegar mais escolas do país.

 

A Professora GSouto

 

21.01.2013

 

Licença Creative Commons

 

Língua Portuguesa, a nossa !

 

 

acordo4.jpeg

 

 

Sabem que sempre fui contra o Acordo Ortográfico. Conhecem bem a minha posição em relação ao que considero um atentado à raiz latina da nossa língua.

 

Pois é! Parece que a razão chegou. E do outro lado. O governo brasileiro adiou a aplicação do Novo Acordo Ortográfico segundo podemos ler. E fê-lo com base numa petição que reuniu 20 000 assinaturas

 

 

 

 

Em Portugal, uma petição semelhante reuniu mais de 130 000 mil assinatura e não teve qualquer eco. Assim, o AO entrou de rompante nas escolas portuguesa de um ano lectivo pra outro, em níveis curriculares.

 

 

E agora, como se sentirão os professores, os curriculares de Língua Portuguesa com base em Linguísticas que tanto lutaram para contrariar o absurdo?

 

E que se vêem  constrangidos, mesmo não o aplicando pessoalmente, e nem nos currículos de Língua Portuguesa que leccionam? Impossível induzir os alunos numa grafia que não nos pertence?

 

 

acordo6.png

 

 

via CiberDúvidas da Língua Portuguesa

 

Que argumentos apresentar aos alunos para explicar que a grafia que aprenderam até ao ano lectivo anterior já não é 'correcta'. Mais, como chamar à grafia correcta, 'português antigo' ?! Antigo?!

 

E os pais e educadores que compraram Dicionários de Língua Portuguesa até ao ano transacto e agora se vêem obrigados a gastar mais dinheiro em Dicionários de Língua Portuguesa con AO e manuais novos com AO (quando os manuais do ano lectivo anterior ainda estavam em vigor) para que os seus educandos possam acompanhar as novas normas.

 

 

VascoGraçaMoura.jpg

 

 

Vasco Graça Moura

créditos: Autor não identificado

via Comunidade Cultura e Arte

 

Vasco Graça Moura, um dos mais conceituados escritores portugueses, muito se opôs, no alto do seu repertório literário. ao surgimento do Acordo Ortográfico, reivindicando a autonomia identitária da Língua Portuguesa, para além de denunciar os interesses geopolíticos e empresariais de origem brasileira. Esta visão é sustentada no seu escrito “A Perspetiva do Desastre”.

 

E tão coerente foi que, ao assumir a presidência do Centro Cultural de Belém, decidiu que o CCB usasse de novo as regras ortográficas que são devidas ao bom uso da Língua Porguesa.

 

acordo5.jpg

 

 

“O Brasil vai rever o acordo, portanto é completamente delirante nós ficarmos para trás. Agora vamos ter três grafias: a brasileira actual, a africana, porque Angola mantém e muito bem as regras ortográficas que estão em vigor e não as do acordo, e a portuguesa, que é uma coisa sem pés nem cabeça."

 

Vasco Graça Moura.

 

Já em Setembro 2012, o PEN Internacional condenara por unanimidade o AO. E desde sempre vozes se fizeram ouvir contra. Escritores, professores, e pessoas de todos os quadrantes da sociedade e da cultura.

 

"Sim, porque a orthographia também é gente. A palavra é completa vista e ouvida. E a gala da transliteração greco-romana veste-m'a do seu vero manto régio, pelo qual é senhora e rainha."

 

Fernando Pessoa

 

Não poderia estar mais de acordo! Absolutamente delirante!

 

A Professora GSouto

 

09.01.2013

 

Licença Creative Commons