Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

Ler na sala de aula : Prémio Fundación Cuatrogatos 2017

 

 

 

Irmão Lobo

Carla Maia de Almeida

ilustração: António Jorge Gonçalves

http://www.planetatangerina.com/pt/

 

O livro Irmão Lobo, da escritora Carla Maia de Almeida, foi distinguido com o Prémio Fundación CuatrogatosA Fundación Cuatrogatos é uma organização norte-americana de promoção da leitura para a infância e juventude.

 

fundacion4gatos.jpg

 

Fundación Cuatrogatos

https://www.facebook.com/FundacionCuatrogatos

 

Anualmente, a Fundación Cuatrogatos, fundada em Miami, elege vinte livros para crianças e jovens, traduzidos para espanhol e publicados por editoras ibero-americanas, que são "altamente recomendados pelos valores literários e artísticos" e que "merecem ter mais divulgação".

 

 

lobo_1.jpg

 

Irmão Lobo

Carla Maia de Almeida

ilustração: António Jorge Gonçalves

http://www.planetatangerina.com/pt/

 

Entre os vinte títulos premiados está Irmão Lobo, de Carla Maia de Almeida, com ilustração de António Jorge Gonçalves e tradução por Jerónimo Pizarro, para a editora mexicana Ediciones El Naranjo.

 

Saber +

 

Irmão Lobo é "uma obra comovedora, que explora com subtileza as paisagens da alma humana e que nos fala, com extraordinária sinceridade e profundidade, de separação, sobrevivência, redenção e amor", escreveu a Fundação na página oficial.

 

Além dos vinte livros premiados, a organização recomenda ainda dezenas de outros títulos, escolhidos entre as obras que foram sendo lidas e avaliadas pela fundação. Entre eles está a tradução de A contradição humana, álbum ilustrado de Afonso Cruz.

 

 

lobo_2.jpg

 

Irmão Lobo

Carla Maia de Almeida

ilustração: António Jorge Gonçalves

http://www.planetatangerina.com/pt/

 

Sinopse:

 

Malik. Penso nele como um totem que mantinha a tribo unida, a tentar adaptar-se ao apartamento e a sonhar com o seu antigo tipi rodeado de verde.


Nas poucas fotografias que tirámos depois de ele partir, parecemos um punhado de moedas atiradas ao ar, caídas ao acaso, afastadas umas das outras. Esta, por exemplo, com a Blanche a olhar para mim, Alce Negro a olhar para o céu, o Fóssil a olhar para os ténis e a Miss Kitty de óculos escuros, a olhar para dentro, para os lugares onde só ela entrava. 


Depois daquele verão em que tudo começou a arder, nunca mais aparecemos os cinco nas fotografias. Foi o verão da Grande Travessia no Deserto da Morte. Ou, simplesmente, o verão da Grande Travessia.


Lembro-me como se fosse hoje.

 

 

lobo_3.jpg

 

Irmão Lobo

Carla Maia de Almeida

ilustração: António Jorge Gonçalves

http://www.planetatangerina.com/pt/livros/irmao-lobo

 

Em Irmão Lobo, publicado em 2013 pela Planeta Tangerina, Carla Maia de Almeida narra uma história protagonizada por uma família - pai, mãe, três filhos e um cão - a desintegrar-se, marcada pelo desemprego e por problemas financeiros.

 

Ir + longe:

 

O fio narrativo oscila entre dois momentos, em que a narradora tem oito e quinze anos (a distinção é feita graficamente com páginas azuis e brancas), intercalando as descrições do ambiente familiar com o de uma viagem, que terminará no acontecimento fraturante da família, intitulado "Grande Travessia no Deserto da Morte".

 

A protagonista refere-se à família por alcunhas: o Clã do Pássaro Trovão integra a mãe Blanche, que acumula três empregos, o pai Alce Negro, desempregado, o irmão mais velho, Fóssil, a irmã do meio, Miss Kitty, e o cão Malik, como "um totem que mantinha a tribo unida".

 

lobo_4.jpg

 

Não Quero Usar Óculos,

Carla Maia Almeida

ilustração: André Letria

http://www.fnac.pt/

 

Autora:

 

Carla Maia de Almeida, nascida em Matosinhos em 1969, é jornalista, tradutora e formadora na área do livro infantil. Tem obra publicada no Brasil, Holanda e Colômbia.

 

É autora ainda de outros livros como Amores de Família e Ana de Castro Osório - A mulher que votou na literatura, ambos ilustrados por Marta Monteiro, Onde Moram as Casas, com ilustrações de Alexandre Esgaio, e Não Quero Usar Óculos, com ilustração de André Letria.

 

 Livros aconselhados pelo Plano Nacional de Leitura.

 

  • Irmão Lobo, literatura juvenil;
  • Não Quero Usar Óculos, literatura infantil.

 

Actividades:

 

  • Leitura dos livros segundo o nível de ensino.
  • Preparar actividades de apoio à Leitura Autónoma e/ou Leitura com Apoio do Professor ou dos Pais, segundo o nível etário.

 

A Professora GSouto

 

25.02.2017

 

Licença Creative Commons

 

PNL - Romance de Rita R.

 

 

 

Ana Saldanha | O Romance de Rita R.

Editorial Caminho 

 

"Um computador portátil, a preço irresistível. Não resisti. Só passados dias liguei. Estava a transbordar de documentos.! Não abri nem um. Se encontrasse um diário também não o leria. Eu tenho princípios.

 

Tentei encontrar o vendedor, sem resultado. Que fazer? Não tinha alternativa : ouvi o áudio-diário da Rita. Era um diário típico de uma adolescente. Li também as receitas, as tentativas de escrever um romance, olhei para as fotografias, li os emails. E o pequeno mundo que me apareceu à frente era sólido e completo.

 

Enviei tudo ao meu editor. Com dificuldade, consegui convencê-lo de que, desta vez, a ficção era uma história real, realmente contada pela protagonista. Tenho a esperança de um dia vir a conhecer pessoalmente a Rita R."

 

(contracapa)

 

O Romance de Rita R. é uma das obras recomendadas pelo PNL para 7º ano. 

 

  

Ana Saldanha, escritora

http://www.lxjovem.pt

 

 

Saber+ 

 

Ana Saldanha é uma autora já nossa conhecida! Impôs-se na narrativa em português, e não necessariamente apenas para um público juvenil. 

 

Em 1996 o seu livro " Uma Questão de Cor" foi recomendado pelo IBBY para as "Olimpíadas da leitura".

 

 

http://www.caminho.leya.com/

 

No ano seguinte, esta obra foi finalista do "Prémio Unesco" de Literatura infantil e juvenil em Prol da Tolerância.

 

Rita, a personagem principal e narradora, é uma adolescente que decide escrever um romance. Para a ajudar a organizar as ideias, a sua tia Rute oferece-lhe um gravador audio, onde a jovem começa a gravar uma espécie de diário, com o objectivo de mais tarde seleccionar expressões e ideias que possa aproveitar para a sua futura narrativa.

 

Para vos espicaçar o interesse deixo aqui um pequeno excerto:

 

"Apontei o cursor para o meu audio-diário, abri a pasta e cliquei em 1.

 

Ouvi uma voz de menina, com uma pronúncia tripeira : (...) Fechei o documento, desliguei o computador.

 

- Há uma gravação no computador. - disse ao Sam (...)

 

- De quê? Música?

 

- Não. É uma voz de uma pessoa que deve ser uma rapariga nova. A falar da família. "

 

No Romance de Rita R., um pc portátil é um excelente pretexto para uma reflexão sobre o mundo, a vida, a literatura.

 

Interessados, já ? Querem saber mais? Dentro de algum tempo poderaão visitar a página pessoal  de Ana Saldanha que está em construcção. 

 

 Ah! Só uma curiosidade! Sabiam que Ana Saldanha nasceu no Porto?

 

Actualização: Ana Saldanha deixou de ter página pessoal. Está presente aqui

 

Boas leituras!

 

A Professora GSouto

 

13.10.2009

 

(actualizado 06.06.2014)

 

Licença Creative Commons

 

PNL - Diário de Anne Frank

 

 

Anne Frank 

http://cp91279.biography.com/

 

"Freedom, goodness, giving, courage, happiness, humanity, usefulness..."

 

Anne Frank, diary

 

 

Manuscrito diário de Anne Frank

 http:news.yahoo.com/

 

 

 

 

"Anne Frank vivia torturas que marcam qualquer indivíduo de qualquer idade mas especialmente um indivíduo em formação. Forçada a viver como um pássaro na gaiola - "Sinto-me como um pássaro a quem cortaram as asas e que bate, na escuridão, contra as grades da sua gaiola estreita" - afina os sentidos, concentra-os sobre um pequeno espaço em que a sua vida e a dos companheiros de destino se move, procura não só desabafar a sua revolta de adolescente, de judia expulsa da comunidade dos homens, vítma de uma guerra impiedosa, mas, também, encontrar explicações e as interpretações de tudo isto."

 

Ilse Losa, Introdução do Diário de Anne Frank,

 

Edições Livros do Brasil

 

 

 

Quartode Anne Frank

 

Casa-Museu Anne Frank

 

" Se Deus me deixar viver, hei-de ir mais longe de que a mãe. Não quero ficar insignificante. quero conquistar o meu lugar no Mundo e trabalhar para a Humanidade.

 

O que sei é que a coragem e a alegria são os factores mais importantes na vida !

Tua Anne"

 

 

créditos : Jerry Lampen/ Reuters, 2007

 

http://news.yahoo.com/photos

 

As árvores morrem de pé? Sim, no caso do castanheiro de Anne Frank, bem no centro de Amesterdão - a árvore que a jovem holandesa judia admirava, quando escondida, durante 25 meses, num sótão, com a família, tentando assim fugir à insanidade nazi (1939-45).

 

Podem aqueles troncos ser história? História? Podem. E assim o entendeu um grupo de empenhados cidadãos holandeses, que, depois de a hipótese ser aventada em 2007, mobilizou esforços nacionais e internacionais para impedir a morte da árvore, com recurso à serra eléctrica.

 

 

Editora Livros do Brasil

http://images.portoeditora.pt/

 

Leitura em sala de aula - obra integral 

 

Numa altura em que se esqueceram livros de liiteratura juvenil  que marcaram tantas gerações - o Diário de Anne Frank, é um deles - decidi trazer de volta, depois de selecção debatida com alunos, esta obra escrita por uma adolescente que sofreu os horrores da perseguição e morte durante a 2ª Guerra Mundial.

 

Propus-me integrar no Plano Nacional de Leitura o Diário de Anne Frank. E tem sido surpreendente a adesão dos jovens leitores, alunos das diferentes turmas.

 

Uma geração que desconhece o que é viver em tempo de guerra, não lhe passava sequer pela cabeça que uma adolescente da sua idade, pudesse ter sido vítima de tal atrocidade.

 

Foi também muito enriquecedor sob o ponto de vista pessoal, aparecerem através deles, as memórias dos pais, e dos avós. E muitos trouxeram para  o diálogo em sala de aula as impressões dos familiares.

 

Alguns alunso até fazem a leitura pelos mesmos livros que seus pais e avós guardavan nas suas bibliotecas.

 

Sei que estão a apreciar muito esta nossa singela homenagem a Anne Frank, a jovem judia que sonhava um mundo melhor, na comemoração do 64º ano do Holocausto.

 

Sei que cresceram um pouco mais com a leitura do Diário de Anne Frank e que alargaram as aprendizagens a nível do desenvolvimento da leitura integral de um livro que é um pouco mais extenso do que os anteriores, já lidos.

 

 

Actividades de Escrita Criativa:

 

Estamos a concluir a leitura e expressão oral - debate - para passar às actividades de escrita criativa.

 

Estou certa que textos muito interessantes surgirão. Os alunos gostam agora muito de escrever, e já demonstraram em vários outros projectos a sua criatividade.

 

Os melhores textos serão publicados no  seu BlogdosCaloiros.

 

Estou muito satisfeita com este projecto. Os objectivos têm sido largamente alcançados. 

 

A Professora GSouto

 

07.02.2009

Licença Creative Commons

 

PNL : As Palavras Difíceis

 

 

 

As Palavras Difíceis, António Mega Ferreira

 http://multimedia.fnac.pt 

 

Tudo começou no dia em que apanhei o Capitão Fracasse a dançar uma valsa com a Alice, no meio da biblioteca, (...)

 

 António Mega Ferreira, As Palavras Difíceis, Assírio & Alvim, 2005

 

Na sequência do Plano Nacional de Leitura e para satisfazer alguns pedidos feitos pelos alunos das turmas 5G-5H-5I de sugestões de livros que possam ler ou adquirir, deixo aqui um livro encantador!

 

 

 

As Palavras Difíceis, António Mega Ferreira

 Publicações Dom Quixote

http://catalogo.bmel.pt/

 

 "Mas, cuidado, os dicionários são uma armadilha, com aquelas palavras todas. Há quem se perca por entre milhares de palavras, quem demore anos para sair do labirinto, e há até quem tenha desaparecido no meio da selva de palavras difíceis. É que nem todas as palavras que estão no dicionário se podem usar."

 

palavras-dificeis2.jpg

 

As Palavras Difíceis, António Mega Ferreira

 http://multimedia.fnac.pt 

 

«Pois não», disse o Coelho Branco, que nesse momento atravessava a sala apressadamente, com um monte de folhas de papel nas mãos. «Por exemplo, é conveniente evitar as seguintes formas verbais: dissuado, ponhamos, haverão, ajamos, peçamos, discirno, compila...»

«E os substantivos», disse o grilo, «não te esqueças dos substantivos».

«Pois, como postura, concubinato, vitupério, catadura, predecessor, procela...»

E desapareceu na estante, entre Os Três Mosqueteiros e A Ilha do Tesouro.

 

 António Mega Ferreira, As Palavras Difíceis, capítulo 7, pág. 37

 

 

António Mega Ferreira

http://www.wook.pt/

 

António Mega Ferreira nasceu em Lisboa em 1949. Estudou no Liceu Pedro Nunes e formou-se em Direito na Universidade de Lisboa. Estudou Comunicação Social na Universidade de Manchester.

Iniciou a sua carreira literária em 1984 tendo publicado várias obras de ficção, poesia e ensaio.

 

Dirigiu a representação de Portugal como País-Tema da Feira do Livro de Frankfurt de 1997

 

Actualmente, prepara a tradução comentada de A Ilha do Tesouro de Robert Louis Stevenson. Vamos aguardar...

  

 

Bom! Aqui fica então mais uma sugestão de novos livros, novas leituras! Espero que gostem, para em breve podermos ouvir as vossas impressões em sala de aula.

 

Eh eh! Divirtam-se na companhia do Capitão Fracasse e da Alice... sim, essa mesmo! Alice no País das Maravilhas.

 

A Professora GSouto

 

17.02.2008

 

Licença Creative Commons

PNL - A Ilha na Rua dos Pássaros - 6I

 

 

 

Uri Orlev, A Ilha na Rua dos Pássaros

www.ambar.pt

 

 "A nossa rua não foi baptizada por causa das aves que andavam no quarto piso, mas a minha mãe disse-me donde lhe viera o nome. Há muito, muito tempo, antes de haver automóveis, havia uma avenida de árvores no meio da rua debaixo de cujos ramos as carruagens puxadas por cavalos passavam. Já fora há tanto tempo que a minha mãe não se lembrava disso. Só a avó se recordava. Ela dizia que essas árvores estavam carregadas de pássaros. Milhares e milhares deles. Por isso deram à rua o nome de Rua dos Pássaros." (...)

 

 Uri Orlev, A Ilha na Rua dos Pássaros, Âmbar Editora

(excerto)

 

Livro do Plano Nacional de Leitura

 

Sabes que o livro A Ilha na Rua dos Pássaros aborda o acontecimento histórico Holocausto que já trabalhámos no livro O Mundo em que Vivi de Ilse Losa.

 

No próximo dia 27 Janeiro é Dia Internacional da Memória do Holocausto.

 

 

slide: Ana Paula Oliveira

http://image.slidesharecdn.com/

 

 Ficha Digital

 

A. Leitura

 1. Comenta a leitura feita em sala de aula, ao longo dos vários dias.

2. No final da leitura integral, regista neste post um curto excerto que mais te tenha impressionado.

 

B. Expressão escrita

 

 1. Dá um final diferente

2. Cria um novo capítulo (trabalho de grupo)

 
C. Comentário final

Comenta o horror que adolescentes d tua idade viveram durante a 2ª Guerra Mundial
(máximo 8 linhas)



 A Professora GSouto

 

 21.01.2007

 

Licença Creative Commons 

Plano Nacional de Leitura ? Sempre praticámos !

 

 

 Luisa Dacosta, Sonhos na Palma da Mão

ASA Editores

 

"Uma história - como a sentimos?

 

Como semente. Uma semente que cresce connosco e nos faz crescer. Estes "Sonhos na Palma da Mão" pagam, de certa maneira, o encanto que me deram "A Rapariga dos Fósforos", "A Sereiazinha", "O Patinho Feio", "O Rouxinol". Longe na infância. Com as suas sombras e claridades [...] rolavam sobre mim, como berlindes mágicos, percorriam-me os cinco cantinhos da alma, abriam portas secretas, permitiam-me respirações, outras, que nem sabia. Uma dimensão, cujo bafo tento, aqui passar a corações com olhinhos interiores."

 

Luisa Dacosta, Sonhos na Palma da Mão, Edições Asa, 2003

 

 

Mel Evans/AP 2006

http://news.yahoo.com/

 

 

O Plano Nacional de Leitura tem como objectivo central elevar os níveis de literacia dos portugueses e colocar o país a par dos nossos parceiros europeus.

 

(...)

 

Destina-se a criar condições para que os portugueses possam alcançar níveis de leitura em que se sintam plenamente aptos a lidar com a palavra escrita, em qualquer circunstância da vida, possam interpretar a informação disponibilizada pela comunicação social, aceder aos conhecimentos da Ciência e desfrutar as grandes obras da Literatura.

 

http://www.planonacionaldeleitura.gov.pt

 (texto com supressões)

 

 

O Meu Primeiro Dom Quixote

adaptação do livro Miguel Cervantes

Edições Dom Quixote

 

Há lá coisa mais deliciosamente cativante e intimista do que ler um livro?

 

Então, vamos dar continuidade ao nosso Projecto iniciado em Outubro de 2005, logo nos primeiros meses do 5º ano... 

 

O meu primeiro passo para cativar esse gosto pela leitura, foi aromatizar os últimos momentos de algumas aulas com a leitura de curtos pedacinhos de livros variados e pouco conhecidos. Lembram-se?

 

 

Para Não Quebrar o Encanto

Virgílio Alberto Vieira

Edições Caminho

 

Levava, e continuo a levar, livros para a sala de aula e leio alguns excertos, até vos despertar a curiosidade suficiente para continuarem sozinhos a leitura desses ou de outros livros à vossa escolha.

 

Com esta pedagogia de semear leituras não catalogadas sinto que estou a formar um boa plêiade de cativados leitores e leitoras que passaram a fruir do enorme encanto de ouvir ler histórias, de ler por prazer, e de comprar com a sua semanada livros. Alguns até já pediram pelo Natal... livros! Que bom!

 

 

António Mega Ferreira, As Palavras Difíceis

Publicações Dom Quixote

 

Tudo começou no dia em que apanhei o Capitão Fracasse a dançar uma valsa com a Alice no meio da biblioteca do avô.

 

(...)

 

Bom, foi depois disso que passei a aventurar-me mais vezes até à porta da biblioteca do avô. E um dia, a meio de uma tarde de muito calor, pus a mão na maçaneta da porta, rodei-a lentamente, o coração batia-me apressando [...] Mas no meio, mesmo no meio da biblioteca havia uma zona iluminada, e um homem alto, de botas de cano, chapéu de pluma e capa de veludo vermelha, rodopiava levando nos braços uma menina loura, muito loura, com cabelos atados por uma fita lilás e um vestido da mesma cor."

 

António Mega Ferreira, As Palavras Difíceis, Assírio & Alvim, 2005

 

Actividades:

 

  • Deixar em "Comentários", uma frase, duas ou três linhas do livro que mais gostaram de ler ou que estejam a ler neste momento! Pode ser? 
 
Então, fico à espera...
 

A Professora GSouto

 

07.01.2007

 

Licença Creative Commons