Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

Saber + : Quem foi a Condessa Eva Ekeblad ?

 

 

doodle-alcool.png

Google Doodle 293º Aniversário de Eva Ekeblal

https://www.google.com/doodles/

 

Google celebra hoje com Doodle Eva Ekeblad (1724-1786), no 293º aniversário do seu nascimento.

 

No Doodle dedicado a Eva Ekeblad, podemos ver cascas de batata a formar as letras de "GOOGLE", em cima de uma tábua de cortar de cozinha. Em lugar do primeiro (O) surge a efígie da Condessa e em lugar do segundo (O), vê-se farinha, numa clara representação da descoberta principal da cientista sueca: a transformação de batata em farinha.

 

É assim uma homenagem do motor de buscas Google a esta cientista sueca pelas descobertas científicas de Ekeblad terem permitido combater a fome e assim salvar milhares de pessoas.

 

Um facto que Google, segundo a equipa de doodlers, considera nobre e digno de ser assinalado neste aniversário de nascimento de Eva Ekeblad.

 

 

 

Eva Ekeblad

https://pt.wikipedia.org/wiki/

 

Saber + 

 

Eva Ekeblad (Eva De la Gardie) nasceu no dia 10 de Julho de 1724 e morreu em 5 de Maio de 1786. Agrónoma, cientista sueca. Mais tarde condessa Ekbhal, depois do casamento em 1740, com o conde Claes Claesson Ekeblad, membro da nobreza e da elite política da Suécia. Tiveram seis filhas e um filho. Toda a família viveu na capital sueca, Estocolmo.

 

A condessa Eva Ekeblad foi assim uma cientista sueca que ficou conhecida por fazer farinha e álcool a partir da batata, em 1746. Esta descoberta está representada no Doodle que lhe é dedicado. Ekeblad ajudou com a sua descoberta a combater uma crise de falta de alimentos que o povo sueco atravessou. 

 

Tornou-se a primeira mulher membro da Academia Real das Ciências da Suécia em 1748.  Foi preciso esperar até 1970 até que a segunda mulher fosse eleita para a Academia Real das Ciências da Suécia.

 

Eva Ekeblad foi portanto responsável por uma descoberta ainda hoje utilizada de extrair álcool e fazer farinha a partir da batata.

 

 

 

Cristovão Colombo

Provável retrato de Colombo por Sebastiano del Piombo, 1519

Não há retratos autenticados de Colombo.

 https://pt.wikipedia.org/

 

Ir + longe:

 

Sabemos que foi Cristovão Colombo quem trouxe a batata para a Europa em 1493. A batata foi introduzida na Suécia em 1658. Mas, nessa época, eram apenas cultivadas nas estufas da aristocracia.

 

Em Portugal, também, a batata passou a ser utilizada na alimentação com muita frequência.

 

 

https://sok.riksarkivet.se/

 

O trabalho científico de Eva Ekeblad transformou as batatas num alimento básico na Suécia, e depois nos restatntes países da Europa.

 

Aumentou a oferta de trigo, centeio e cevada, uma vez que as batatas puderam começar a ser utilizadas para fazer álcool, através da conversão do amido presente nas mesmas, canalizando assim os preciosos cereais apenas para fazer pão, em vez de os desperdiçar para fazer bebidas alcoólicas. Isso melhorou bastante os hábitos alimentares e reduziu a frequência da fome.

 

A condessa sueca, como ficou a ser conhecida, também descobriu um método de branqueamento de têxteis e fios de algodão com sabão, em 1751.

 

 

Mais tarde, descobriu um método de substituir os ingredientes perigosos em cosméticos usando flor de batata (1752).

 

Todas estas descobertas indiciam o brilhantismo desta agrónoma cientista, numa era em que a ciência era predominantemente assunto para homens.

 

 

 

 Academia Real das Ciências da Suécia

sede

https://pt.wikipedia.org/wiki/

 

 

Foi eEm 1748 que Eva Ekeblad se tornou a primeira mulher eleita para a Academia Real das Ciências da Suécia, embora nunca tenha participado em nenhuma reunião.

 

A explicação para a sua ausência em reuniões veio em 1751, quando a Academia informou que a condessa era um membro honorário e não um membro de pleno direito, já que os estatutos limitavam a adesão a homens.

 

O seu trabalho permitiu aplacar a fome na Suécia, transformando as batatas numa base da alimentação, antes só reservada à aristocracia.

 

Por outro lado, aumentou a oferta de trigo, centeio e cevada, passando as batatas a ser mais utilizadas para fazer álcool e os restantes cereais para fazer pão.

 

 

 

Eva Ekblad

 

 

Actividades:

 

  • Diálogo com os alunos sobre um alimento, a batata, que para eles, no séc, XXI se tornou um alimento consumido por ricos e pobres, e que os adolescentes  tanto apreciam, sobretudo no formato de 'chips'.
  • Alertar para a importância deste alimento para combater a fome nos países mais pobres, quando na época em que foi introduzida na Europa, servia de alimento sobretudo a classes mais favorecidas.
  • Eva Ekblad deve ser dada como exemplo às adolescentes para que se dedicam ao  estudo das ciências,se essa for a sua vocação. Relembrar que foi a primeira mulher a ter acesso a membro de uma Academia das Ciências, só então com acesso aos homens, e com isso alertar, mais uma vez, para a igualdade de género.

 

A Professora GSouto

 

10.07.2017

 

 Licença Creative Commons

Marta Portocarrero, a aluna que sonhava ser escritora

 

 

 

 Um passo atrás

e dois adiante

Marta Portocarrero

Mosaico de Palavras Editora

http://mosaico-de-palavras.pt

 

Marta Portocarrero foi minha aluna em Língua Portuguesa, durante os anos lectivos 2000-2002. Lembro- me que adorava escrever. E contava-me que mais tarde, gostaria de ser escritora.

 

Desde o início, acarinhei esse seu sonho lindo e não havia texto ou pretexto que não aproveitasse para fazê-la chegar mais longe.

 

Em 2000, decidi introduzir as Tecnologias nos currículos de Língua Portuguesa. Marta fez parte de um grupo de alunos que as utilizaram, numa actividade pioneira nesse tempo e nesse nível do ensino.

 

Fez parte do grupo que desafiei, os "Torrinhasnetianos" (assim os apelidava) a participar no Concurso Palavr@s para o século XX, patrocinado pelo IIE (Instituto de Inovação Educativa).

 

E foi com profundo entusiasmo que os alunos se empenharam. Marta era uma das mais empenhadas, muito criativa nos seus textos.

 

Em horas extra-curriculares, com o auxílio de um computador obsoleto e abandonado, num canto da Biblioteca da escola, dedicávamo-nos por inteiro ao desenvolvimento dos trabalhos individuais.

 

Para gáudio de todos nós, professora, alunos e pais, o grupo foi premiado, ficando em 1º lugar Ex-Aequo.

 

Fomos a Lisboa receber o prémio. E Marta foi uma das alunas que esteve presente, sempre!

 

Fez parte também do Projecto Escolas online patrocinado pelo origanização Porto Capital da Cultura 2001. Nunca se absteve de escrever com convicção porque já nessa altura, tão novinha (10/11 anos) mantinha o compromisso consigo própria de querer vir a ser escritora.

 

Dada a sua capacidade criativa, propus-lhe que escrevesse um curto poema alusivo à Escola para participar num outro Projecto de Porto Capital Europeia 2001. Desta vez um concurso.

 

O poema da Marta saíu vencedor do Concurso Painel dos 25 Anos da Escola Francisco Torrinha, projecto que concorreu no âmbito do "Porto Capital Europeia 2001". E  projecto com texto da Marta e imagem de António Mesquita foi mais uma vez premiado.

 

Eis o curto poema:

 

Na escola eu aprendi,

eu brinquei, 

eu caí, eu chorei. 

Com a escola eu cresci!

 

Marta Portocarrero, 10 anos

 

Tinha a Marta 10 anos! No ano lectivo seguinte, continuou a desenvolver este gosto infindável pela escrita, gosto que acompanhei sempre com imenso carinho e dedicação. Era um prazer imenso ler os seus textos e puxar mais e mais pela sua criatividade! Tinha uma escrita de grande sensibilidade e ideias não lhe faltavam!

 

Foi portanto, com muita alegria que recebi, anos mais tarde, o seu convite para participar na sessão de lançamento do livro "Um passo atrás e dois adiante", aqui no Porto.Dizia a Marta que eu tinha sido a sua grande impulsionadora. Agradeci sensibilizada. Em certa medida fui. Sempre a tentei levar mais além.

 

Infelizmente, por motivos profissionais agendados anteriormente, que passaram pela minha participação numa conferência, em Londres, não pude estar presente. Mas pude enviar-lhe uma mensagem, já dentro do avião, onde expressava todo o meu afectuoso orgulho pelo facto de a Marta ter atingido o seu sonho. Ela escrevera um dia:

 

Fiquei muito contente e orgulhosa e tudo isso graças à minha Professora de Português que me apoiou ao longo de todo este trabalho e me incentiva cada dia a escrever!

 

Sempre que saio das aulas de Português... trago comigo a mensagem de nunca deixar de sonhar e de não abandonar o prazer da leitura e da escrita!”

 

Estas palavras guardei-as para sempre, na memória dos afectos!

 

Pois bem! Marta Portocarrero, hoje a cursar Ciências da Comunicação, na Universidade do Porto, tem o seu livro publicado pela Mosaico e está disponível numa livraria perto de vós!

 

 

 

Um passo à frente e dois atrás

Marta Portocarrero 

Mosaico de Palavras Editora

http://mosaico-de-palavras.pt

 

Sinopse

 

"Sofia de Noronha, uma jovem arquitecta, dinâmica e cheia de sonhos, cansa-se um dia de ser a menina perfeita de uma boa família e viaja para Ilha de Cébaco, no Panamá, quase do outro lado do mundo, deixando, sem aviso prévio, em Lisboa, a família e o namorado, um escritor fracassado, que acusa de falta de determinação.

 

Buscando a paz de espírito perdida, Sofia depara-se com a beleza paradisíaca da ilha, mas ensombrada com o silêncio imposto pelo passado doloroso gravado na alma dos membros da comunidade autóctone que a habita. Assim, ao embrenhar-se na resolução do tabu dos índios-pescadores, Sofia vai descobrindo que surgem igualmente as respostas às suas próprias angústias…"

 

Regra geral, esquecem-se as referências dos grandes sonhadores (os Professores) que ficam por trás dos talentos que têm o privilégio de cruzar!


Não foi o caso da Marta! A Marta, depois destes anos todos, não esqueceu a Professora que se empenhou com carinho na realização do seu sonho! E Marta soube reconhecer, ao telefonar para me convidar estar presente nesse momento tão importante!


Sem dúvida! Uma jovem escritora muito promissora!

 

Parabéns Marta! E muito obrigada pelo teu carinho! É recíproco. Senti muito orgulho quando me comunicaste que teu sonho se tinha concretizado.

 

A Professora GSouto

 

04.05.2010

 

Licença Creative Commons