Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

Dia Internacional Livro Infantil 2016

 

 

Dia Internacional Livro Infantil 2016

ilustração: Afonso Cruz

http://dglab.gov.pt/

 

"A leitura é uma necessidade biológica da espécie. Nenhum ecrã e nenhuma tecnologia conseguirão suprimir a necessidade de leitura tradicional."

 

Umberto Eco

 

Celebra-se no dia 2 Abril, o Dia Internacional do Livro Infantil, em homenagem à data de nascimento do nosso querido autor Hans Christian Andersen

 

A partir de 1967, este dia passou a ser designado por Dia Internacional do Livro Infantil, chamando-se a atenção para a importância da leitura e para o papel fundamental dos livros para a infância.

 

Para assinalar o Dia Internacional do Livro Infantil 2016, a 2 de Abril, a DGLAB convidou o ilustrador Afonso Cruz, vencedor do Prémio Nacional de Ilustração do ano passado, para ser o autor da imagem do cartaz. 

 

 

internationalchildrenscancerday3.jpg

 

International Children's Book Day 2016

illustration: Ziraldo (Brasil)

http://www.ibby.org/

 

A celebração deste dia é uma iniciativa do IBBY (International Board on Books for Young People). Tem como principal objectivo promover o livro infantil e o prazer da leitura nas crianças.

 

Este ano, o patrocinador oficial do Dia Internacional do Livro Infantil é a secção do Brasil que convidou duas entidades importantes de seu país, a escritora de livros infantis, Luciana Sandroni que escreveu a mensagem sob o tema "Once upon a time..."e o ilustrador Ziraldo (designer do poster)

 

Mensagem: Era uma vez...

 

“Era uma vez”… “Era uma vez uma… Princesa? Não. Era uma vez uma biblioteca. E também era uma vez a Luísa que foi à biblioteca pela primeira vez. A menina andava devagar, puxando uma mochila de rodinhas enoooorme. Ela olhava tudo muito admirada: Estantes e mais estantes recheadas de livros. Mesas, cadeiras, almofadas coloridas, desenhos e cartazes nas paredes. – Eu trouxe a foto – disse timidamente para a bibliotecária. – Ótimo, Luísa! Vou fazer sua carteira de sócia. Enquanto isso pode escolher o livro. Você pode escolher um livro para levar para casa, tá? – Só um?! – perguntou desapontada. De repente, tocou o telefone e a bibliotecária deixou a menina com aquela difícil tarefa de escolher somente um livro diante daquela infinidade de estantes. Luísa puxou a mochila e procurou, procurou até que achou o seu favorito: Branca de Neve. Era uma edição de capa dura, com lindas ilustrações. Com o livro na mão, puxou a mochila novamente e, quando já saía, alguém bateu no seu ombro. A menina se virou e quase caiu para trás de susto: era nada mais, nada menos que o Gato de Botas com o livro dele nas mãos, quer dizer, nas patas! (...)

Ler mensagem integral (tradução portuguesa) aqui

 

 

Este ano, Bologna Children's Book Fair vai decorrer de 2-7 Abril 2016. Falamos pois da Feira do Livro Infantil de Bologna. Em 2015, apresentámos duas autoras/ilustradoras portuguesas galardoadas. 

 

A lista de escritores e ilustradores portugueses que representam e divulgam a nossa Literatura Infantil e Juvenil é extensa. Aguardemos então.

 

Mas como estamos a celebrar o Dia Internacional do Livro Infantil, deixo duas ou três sugestões de livros de literatura infantil e juvenil:

 

  

 

Gato Procura-se

Ana Saldanha

ilustração Yara Kono

Caminho, 2016

http://www.caminho.leya.com/pt/

 

Um gato desaparecido serve de tema ao livro que tenta explicar aos mais novos o sentimento de perda. O livro "Gato procura-se”, foi distinguido com o Prémio Bissaya Barreto de Literatura para a Infância 2016, e é, na opinião do júri, 'um livro que aborda de forma delicada e sensível o tema da perda.'

 

 

Gato Procura-se

Ana Saldanha

ilustração Yara Kono

Caminho, 2016

http://www.caminho.leya.com/pt/

 

"Gato procura-se" é mais um livro que ajuda a ultrapassar a tristeza ou a aliviá-la quando se perde um animal de estimação querido. Uma espécie de consolo sobre a inevitabilidade. Mas Ana Saldanha não esquece, através da enumeração, de nos descrever a vida boa que este gato teve.

 

 

 

Gato Procura-se

Ana Saldanha

ilustração Yara Kono

Caminho, 2016

http://www.caminho.leya.com/pt/

 

Sinopse:

 

"O que terá acontecido ao gato? O gato, na realidade, morreu. Esta é uma bela história que pode muito bem servir para contar às crianças, de uma forma sensível, o problema da morte."

 

A obra apresenta um “texto inteligentemente simples, trazido até ao leitor pela voz da criança” e “ encontra, na ilustração, os prolongamentos discretos que refletem o processo de descoberta e crescimento proporcionado pelas vivências do quotidiano” segundo o júri.

 

 

 

O dono da lua

texto e ilustração : Carlos J. Campos

Edição Verso da História, Brasil

https://www.versodahistoria.pt/543-infantil/o-dono-da-lua

 

Sinopse:

 

"Gastão Latife é um rapaz como outro qualquer, apesar do incidente que fez com que ficasse com cara de coelho (ou de rato, as opiniões variam). Por ser muito trapalhão e distraído Gastão acaba por ser expulso da Grande Escola de Magia onde estudava e parte sozinho e sem rumo pela floresta. Não tarda a encontrar novos amigos, Cão Pulguento e Pirí, o pirilampo que trocou a capacidade de dar luz pela capacidade de falar, nem consegue evitar meter-se em sarilhos. Ao sair da floresta, Gastão é preso por um rei que pensa ser dono da lua. Para se salvar, assim como a todos aqueles que são vítimas da tirania do rei, o ex-aprendiz de feiticeiro vai ter de provar aquilo que vale."

 

Uma criatura estranha dentro de uma masmorra mal iluminada e cheia de ratos é a primeira imagem que este livro nos oferece.

 

Resumo:

 

“Olá, o meu nome é Gastão. Gastão Latife. Pode não parecer, mas sou um menino como qualquer outro”, apresenta-se o protagonista, que tem cara de coelho (ou de rato, segundo alguns). A acompanhá-lo está um cão cheio de pulgas e um pirilampo apagado (preferiu ter voz a ter luz).

 

Nas páginas seguintes ficamos a saber que o rapaz-coelho-rato foi expulso da Grande Escola de Magia por se revelar desajeitado demais para ser feiticeiro. É Gastão quem vai contando a sua própria história, mas sempre contrariado. “Se julgam que eu vou explicar porque um menino como qualquer outro tem esta cara de coelho, desistam. Hoje não me apetece… Ainda por cima, é uma longa história. Fica para outra oportunidade”, diz no início. Estado de espírito que se repete mais adiante: “Esqueçam! Eu já disse que esta é uma longa história, e eu não vou contar. OK?!”

 

Mas lá vai dando conta das suas vicissitudes e descrevendo como iludiu um rei que se julgava dono da lua. Pelo meio, este feiticeiro falhado descobre o que é o esforço, o crescimento, a amizade e a cooperação.

 

Carlos J. Campos assina a colecção "A Vida Difícil de Gaston Latife", que já tem o segundo título editado, "A Rainha Linguaruda". A seguir virá "A Galinha do Inferno". Uma subversão divertida do universo dos contos infantis clássicos aliada a imagens que remetem para o cinema de animação. Resultado: um bom feitiço… para conquistar jovens leitores. 

 

 

 

O Veado Florido

António Torrado

ilustração: Cristina Valadas

ASA editores, 2016

 

O Veado Florido de António Torrado e Cristina Valadas, dois autores que tão bem conhecemos e com privámos de perto, em conversas informais com os alunos, em Sessões de Livros e Autores.

 

Sinopse:

 

“A história que vou contar passou-se há muito e muito tempo, numa terra que muitos arados revolveram, muitos pés pisaram, muitos rios sulcaram, muitas árvores cobriram, muitas secas secaram.

 

Era uma vez um senhor muito rico que possuía nos jardins do seu palácio os mais exóticos animais. Para que nunca esses jardins ficassem vazios, o senhor enviava para todas as terras, conhecidas ou desconhecidas, criados seus, em busca de novos animais. Um deles, o mais experiente, encontrou um veado com hastes adornadas com as mais belas e delicadas flores. Consegue atraí-lo e levá-lo para o palácio do seu senhor. Mas, chegado lá, o veado deixa de ser florido…"

 

 

O Veado Florido

António Torrado

ilustração: Manuela Bacelar

Civilização Editora, 1972

http://www.catalivros.org/

 

Uma parte da 1ª edição poderá ser lida online (leitura digital) no site Cata Livros. É este o delicioso estilo de António Torrado, «Honour List» do Prémio Hans Christian Andersen (1974), e nomeado para o Prémio Hans Christian Andersen 2014, conto que foi publicado pela primeira vez em 1972. Agora, acompanhado pela beleza e sensibilidade das ilustrações de Cristina Valadas, também ela com um estilo que a diferenciae lhe dá um destaque único na ilustração contemporânea.

 

Cristina Valadas foi vencedora do Prémio Nacional de Ilustração 2007 pelo trabalho em "O rapaz que sabia acordar a Primavera", com texto de Luísa Dacosta que lemos nos currículos de Língua Portuguesa e foi um dos livros que fez parte da nossa Conversa Livros de Ilustradora: Cristina Valadas

 

O Veado Florido é uma história sobre a liberdade, escrita numa época em que só pronunciar a palavra era perigoso. Um senhor rico estava rodeado de “uma colecção singular de animais nunca vistos”. Trazidos pelos criados, habitavam gaiolas douradas. Um dos exploradores que forneciam os animais ao palácio descobriu um veado de hastes floridas e logo o caçou, na mira de avultada recompensa. Mas não teve sorte.

 

Assim que se sentiu preso, o veado perdeu as flores. Mesmo na Primavera, “as hastes continuaram secas como raízes arrancadas da areia”. Só quando o homem rico desistiu de todos os animais e libertou também o veado, é que as hastes de novo se “cobriram de folhas luzidias, quase transparentes, e de flores muito brancas”. O homem rico nunca as viu. Ainda bem.

 

Actividades:

 

  • Vão até à biblioteca ler um livro, ou requisitarem para ler em casa. Também poderão ler ou requisitar para ler um ebook, se tiverem um kindle. Há bibliotecas escolares que já têm alguns para poderem ser requistados pelos alunos.
  • Passem numa livraria, já que estão de férias, (isso mesmo, depois de saírem da sessão de cinema) para comprar um novo livro a juntar à vossa biblioteca. Mas antes, é preciso lê-lo... não esqueçam.

 

A Professora GSouto

 

02.04.2016

 

Licença Creative Commons

PNL - A Casa das Bengalas - 6C

 

 

 A Casa das Bengalas | António Mota

http://www.gailivro.pt

 

"O avô estava sentado na borda da cama daquele quarto acanhado e a cheirar a mofo. E não retirava o olhar do quadro que decorava a parede branca, golpeada aqui e ali pela negrura da humidade. Encaixilhado em grossa moldura, onde os bichos da madeira já pastavam, o quadro, com vidro estalado, mostrava uma mulher rechonchudinha e quase sorridente, dona de duas formidáveis arrecadas penduradas cada uma em sua orelha pequenina.

 

(...)

 

Da cozinha, minha mãe gritou:

- Vá tomar banho, meu pai.

E eu ali de pé, em frente do avô. E eu ali de costas voltadas para os restos de sol daquela tarde de Outubro que entravam  pela janela de guilhotina. E eu ali, de braços cruzados, a olhar  para aquela cara lavrada de rugas e barba rala com mais de oito dias.

- Se deixasse crescer a barba, até lhe ficava bem.

O avô  fez de conta  que não ouviu. Aprendi  com ele a arte da surdez. O velho ensinou-me que não é importante ouvir tudo, o que é preciso é saber escutar o que nos interessa. Foge  de quem  muito fala e tudo sabe, dizia ele. [...]

 

António Mota, A Casa das Bengalas, capítulo 1, Edições Gailivro, 2002

(excerto)

 

Livro do Plano Nacional de Leitura

 

 

 

slide de Sara Matilde

http://image.slidesharecdn.com/

 

 Ficha Digital

 

A. Leitura

 

 1. Comenta a leitura feita em sala de aula, ao longo dos vários dias.

2. No final da leitura integral, regista nest post um curto excerto que mais te tenha impressionado.

 

B. Expressão escrita

 

 1. Dá um final diferente ao livro.

2. Cria um novo capítulo (trabalho de grupo)

 

C. Comentário final

 

Sabes que o livro trata de um problema humano (solidão na 3ª idade) e assunto familiar (o lugar dos Avós na família.

 

1. Comenta como o assunto foi tratado no livro.

2. Dá a tua opinião sobre o papel dos Avós na tua vida (8/10 linhas)

 

 A Professora GSouto

 

15.01.2007

 

Licença Creative Commons