Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

Escritoras em Língua Portuguesa

 

 

Caravela.png

 

Caravela Sagres St M. Manuela e Creoula

http://santamariamanuela.blogspot.pt/

 

Entre ontem e hoje, dias 6 e 7 Novembro 2014, celebraram-se dois grandes nomes da poesia em língua portuguesa. 

 

 

 

sophia_poesia.jpg

 

 

Sophia Mello Breyner nasceu a 6 Novembro 1919, no Porto. Foi aqui, nesta cidade, e na Praia da Granja, bem perto do Porto, que passou a sua infância e juventude.

 

De formação em Filologia Clássica, da Universidade de Lisboa, é uma das maiores poetas portuguesas do século XX, distinguida com o Prémio Camões em 1999, tornando-se a primeira mulher portuguesa a receber este galardão literário.

 

De entre muitos prémios, recebeu em 2001 o Prémio Max Jacob de Poesia e o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana em 2003. 

Foi  mãe de cinco filhos que a motivaram a escrever contos infantis. Mãe do escritor Miguel Sousa Tavares, e avó de Pedro Sousa Tavares que completou o conto inacabado de Sophia,  Os Ciganos, editado em 2012.

 

sophia-up.jpg

 

Sophia Mello Breyner Andresen

Busto Jardim Botânico

foto: Egídio Santos/ UP

https://www.facebook.com/universidadedoporto

 

E como nós conhecemos bem as histórias de Sophia. Histórias de maravilhamento, passadas entre a casa de sua avó, hoje Jardim Botânico, e a praia da Granja, tão bem descritas nos seus livros.

 

sophia_floresta.jpg

 

Sophia Mello Breyner 

A Floresta | Figuerinhas

www.google.com/

 

A Floresta ou a Menina do Mar entre tantos outros que lemos nas aulas de Língua Portuguesa: O Cavaleiro da Dinamarca, História da Gata Borralheira, O Baile, ou Noite de Natal.

 

É óbvio que não poderiamos esquecer a sua poesia. Alguns dos seus mais belos poemas vieram enriquecer as nossas aulas dedicadas ao Texto Poético. Fica aqui a nossa homenagem:

 

Assim o Amor

Assim o amor
Espantado meu olhar com teus cabelos
Espantado meu olhar com teus cavalos
E grandes praias fluidas avenidas
Tardes que oscilam demoradas
E um confuso rumor de obscuras vidas
E o tempo sentado no limiar dos campos
Com seu fuso sua faca e seus novelos

Em vão busquei eterna luz precisa

Sophia de Mello Breyner Andresen, in “Obra Poética”

 

Morreu aos 84 anos, no dia 2 de Julho de 2004. Está no Panteão Nacional desde Julho 2014.

 

ceciliameireles.jpg

 

Cecilia Meireles

www.google.com/

 

Cecília Meireles nasceu em 1901, no Rio de Janeiro e faleceu em 1964, também no Rio de Janeiro. Foi poeta, professora, jornalista e cronista.


No período de 1919 a 1927, colaborou nas revistas Árvore NovaTerra de Sol e Festa. Fundou a primeira biblioteca infantil do Brasil.


Leccionou na Univerdade do Distrito Federal em 1936 e na Universidade do Texas em 1940.

 

É considerada por muitos como uma das maiores poetisas da Língua Portuguesa. Em 1993, o Prémio Camões foi-lhe atribuido.

 

doodle-Cecília-Meireles.jpg

Google doodle | Cecilia Meireles

www.google.br

 

Google, o motor de busca (Brasil) homenageou hoje, dia 7 Novembro, com um doodle Cecilia Meireles, na passagem do 113º aniversário da escritora carioca. A imagem do Doodle mostra Cecilia escrevendo sob a luz do luar.

 

Da sua vasta obra, realçamos a poesia infantil com textos como Leilão de Jardim, O Cavalinho Branco, Colar de Carolina, O mosquito escreve, Sonhos da menina, O menino azul, entre outros.

 

Nas aulas curriculares, no estudo do Texto Poético, lemos vários poemas de Cecilia Meireles.

 

Serenata

Permita que eu feche os meus olhos,
pois é muito longe e tão tarde!
Pensei que era apenas demora,
e cantando pus-me a esperar-te.
Permita que agora emudeça:
que me conforme em ser sozinha.
Há uma doce luz no silencio, e a dor é de origem divina.
Permita que eu volte o meu rosto para um céu maior que este mundo,
e aprenda a ser dócil no sonho como as estrelas no seu rumo

 

Cecilia Meireles

 

Actividades:

  • Faça o estudo comparado da poesia (alguns poemas) de Sophia Mello Breyner e Cecilia Meireles;
  • Solicite aos alunos que seleccionem poemas das duas poetisas. Desenvolva actividades de escrita criativa;
  • Dinamize um poemário (placares na sala de aula; biblioteca escola) com poemas escolhidos pelos alunos, segundo áreas temáticas;
  • Organize um pequeno concurso "Diz um poema" em que os alunos serão convidados a recitar poemas de Sophia e Cecilia.

 

A Professora GSouto

 

07.11.2014

 

blogdoscaloiros88x31.png

2 comentários

Comentar post