Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

E veio o Outono ! E com poesia !

 

 

 Google Doodle Equinócio de Outono

https://www.google.com/doodles/

 

E lentamente o Outono chegou. Começa hoje quinta-feira, dia 22 Setembro às 15:21 horas, e, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, 'as temperaturas máximas não devem subir acima dos 28 graus e o vento soprará fraco, com alguma nebulosidade'.

 

Bem aqui na cidade do Porto, estão muito abaixo dos 28 graus. Estamos com 19 graus, embora o dia se mantenha lindo, e sem vento... para já.

 

Esta quinta-feira, segundo a página do Observatório Astronómico de Lisboa, o sol nasceu às 7:25 e põe-se às 19:33 horas, o que faz com o dia tenha as mesmas horas que a noite.

 

Bom, a partir de agora, os dias irão encurtando, trazendo a noite mais cedo, e as noites vão crescendo até ao solstício do Inverno, em Dezembro.

 

Solstícios:

 

Duas vezes por ano, nos equinócios da Primavera e do Outono, os dias são iguais às noites.

 

Para saber mais, basta leres o post Outono chegou hoje: traz sol e poesia no solstício do Outono 2015.

 

Etimologia:

 

O Latim que está na origem da palavra 'dia igual à noite' : aequus (igual) e nox (noite). 

 

 

  

Parque Serralves | Outonp

créditos: JoãoP74, Flickr

https://www.flickr.com/

 

É a preparação para o Inverno, esse a chegar às 10:44 horas do dia 21 de Dezembro. Hoje, o dia já é demontrativo da estação que vai entrar. Céu um pouco enevoado, solinho menos brilhante e intenso.

 

A natureza transforma-se, aparecem os primeiros sinais das cores outona dia típico de Outono ao início da tarde, quando chega a estação associada aos amarelos e castanhos das árvores, à queda das folhas, aos primeiros frios e chuvas, às noites mais longas.

 

Como sabemos das aulas de Língua Portuguesa, ao estudar o Texto Poético, o Outono aparece muitas vezes associado à melancolia e à nostalgia.

 

Então vamos lá à procura de um poema lindo que nos leve a Outono. Fernando Pessoa, que tal?

 

Uma névoa de Outono o ar raro vela

Uma névoa de Outono o ar raro vela,
Cores de meia-cor pairam no céu.
O que indistintamente se revela,
Árvores, casas, montes, nada é meu.

Sim, vejo-o, e pela vista sou seu dono.
Sim, sinto-o eu pelo coração, o como.
Mas entre mim e ver há um grande sono.
De sentir é só a janela a que eu assomo.

Amanhã, se estiver um dia igual,
Mas se for outro, porque é amanhã,
Terei outra verdade, universal,
E será como esta [...]

 

Fernando Pessoa, (5-11-1932)

 

Lindo, mas melancólico, não é? Dá bem para analisar nas aulas curriculares de Língua Portuguesa. Saudade das nossas aulas de Português, das sessões de leitura em que a poesia tinha sempre um lugar muito especial.

 

Actividades:

 

Como  o ano lectivo já começou, aqui deixo algumas propostas para desenvolver...

  • Analisar o excerto do poema de Fernando Pessoa acima transcrito, sem esquecer de solicitar aos alunos que façam a pesquisa do poema integra. Turmas 3º ciclo, 8º ou 9º anos.
  • Solicitar aos alunos uma curta selecção de poemas sobre o Outono (literatura portuguesa, ou não). Cada aluno poderá dizer um poema da sua escolha em voz alta.
  • Escrita criativa : alunos serão convidados a criar poemas alusivos ao Outono que poderá ser ilustrado também pelo aluno. Apoio do currículo de Educação Visual.
  • Programar um jornal de parede na sala de aula - Turmas 2º ciclo e 7º ano 3º ciclo. Os alunos procederão então à elaboração de um Poemário que poderá ser enriquecido ao longo de 15 dias.

 

Bom Outono  para todos ! E bom ano lectivo !

 

A Professora GSouto

 

22.09.2016

 

Licença Creative Commons