Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

Ler : Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa

 

 

 

judith-kerr2.jpg

 

Judith Kerr

Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa

http://diariodigital.sapo.pt/

 

Há muito esgotado em Portugal, Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa, de Judith Kerr, regressa agora às livrarias sob a chancela Booksmile.

 

O livro, publicado originalmente em 1971, conta a história de uma família judia que se vê forçada a abandonar a Alemanha em 1933, na véspera das eleições que deram a vitória a Adolf Hitler. A narrativa acompanha o percurso desta família de refugiados, que passou pela Suíça e por França até se fixar em Inglaterra.

 

 

http://www.sitiodolivro.pt/

 

Depois de uma primeira edição portuguesa em 1990, o livro tem agora uma nova tradução, da escritora Carla Maia de Almeida, que assina o prefácio: "Não sei em que dia vais começar a ler este livro, mas, quando o traduzi do inglês, no verão de 2015, a Europa estava a braços com a maior vaga de refugiados deste o tempo da Segunda Guerra Mundial, quando o regime nazi arrancou milhões de pessoas das suas casas, judeus e não só".

 

Considerado um clássico da literatura juvenil, é inspirada na vida da própria autora. Esta envolvente obra fala da Segunda Guerra Mundial numa perspectiva diferente, isto é, com algum humor.

 

 

 

Judith Kerr

http://i.telegraph.co.uk/

 

Biografia:

Actualmente a viver em Londres, Judith Kerr nasceu em Berlim em 1923, filha de Alfred Kerr, um ensaísta alemão, que se viu obrigado a sair da Alemanha por ter criticado o regime nazi, que chegou a queimar muitos dos seus livros.

 

Fixou-se com a família em 1936 em Londres, onde Judith Kerr ainda hoje vive.

 

Antes de se dedicar por completo à escrita, Judith Kerr trabalhou na Cruz Vermelha e foi argumentista para a BBC.

 

http://www.kalandraka.com/

 

A estreia literária deu-se em 1968, com O tigre que veio tomar chá, a partir de uma história que contou à filha depois de uma visita a um jardim zoológico.

 

É considerado um clássico da literatura para a infância e está publicado em Portugal.

 

 

 http://ecx.images-amazon.com/

 

É autora de mais de vinte livros para crianças e adolescentes entre os quais se destaca a série ‘Mog’, muito conhecida no Reino Unido, mas inédita em Portugal.

 

 

 http://ecx.images-amazon.com/

 

Apesar dos 92 anos, Judith Kerr mantém-se activa na escrita e na ilustração. O mais recente livro, ‘Mr. Cleghorn's Seal’, inspirado em factos reais, foi publicado em Setembro 2015.

 

 

mog-seal.PNG

 

Mr. Cleghorn's Seal/ Judith Kerr

 créditos: Judith Kerr

http://www.lovereading4kids.co.uk/

 

Sinopse:

 

Vive-se o ano de 1933. Anna tem apenas nove anos e anda demasiado ocupada com a escola e com os amigos para reparar nos cartazes políticos espalhados pela cidade de Berlim com a suástica nazi e a fotografia de Adolf Hitler, o homem que muito em breve mudaria a face da Europa. Ser judeu, pensa ela, é apenas algo que somos porque os nossos pais e avós são judeus.

 

Mas um dia o pai dela desaparece inexplicavelmente. E, pouco tempo depois, ela e o irmão, Max, são levados pela mãe com todo o sigilo para fora da Alemanha, deixando para trás a sua casa, os amigos e os amados brinquedos. Reunida na Suíça, a família de Anna embarca numa aventura que vai durar anos.

 

Judith Kerr viveu essa experiência de refugiada na infância, embora tenha admitido em entrevistas que, protegida pelos pais, não se apercebeu completamente dos perigos que passou por ser judia.

 

 

 

 

O livro relata toda a travessia da família do ponto de vista de Anna, uma menina de nove anos que tenta perceber por que razão não pode continuar em Berlim e que um dia desejou ser tão famosa como o pai.

 

Judith Kerr publicou este livro quando já tinha quase 50 anos, pouco depois de ter escrito o álbum ilustrado ‘O tigre que veio tomar chá’, um dos seus maiores sucessos literários.

 

Além de Quando o Hitler roubou o coelho cor-de-rosa, Judith Kerr publicou dois outros livros semi-biográficos e inspirados nesse passado familiar e no período da segunda Guerra Mundial: ‘Bombs on aunt Dainty’ (1975) e ‘A small person far away’ (1987).

 

 

http://d.gr-assets.com/

 

Saber +

 

Quando Hilter Roubou o Coelho Cor-de-Rosa de Judith Kerr remete-nos para uma escritora que viveu no Porto, Ilse Losa e o seu livro autobiográfico O Mundo em que Vivi que lemos nos curriculos de Língua Portuguesa.

 

 

http://www.edicoesafrontamento.pt/

 

Ilse Losa refugiada alemã, também da 2ª Guerra Mundial, adquiriu a nacionalidade portuguesa, depois de ter casado com um português.

 

Foi candidata portuguesa ao "Prémio Hans Christian Andersen". Tem vários livros publicados na Alemanha. e também em França.

 

Em 2013, a Biblioteca de Esposende comemorou o centenário da escritora (1913-2013), iniciativa que visou recordar a conceituada escritora, de origem alemã, que manteve forte ligação a Esposende, recordando assim a sua obra.

 

Actividades:

 

Sobre a mesma temática, os alunos poderão fazer uma pesquisa neste blog: O Diário de Anne Frank;, O Rapaz do Pijama às Riscas.

 

Também encontrarão outros posts sob a temática da guerra e da perseguição nazi : 70 Anos Libertação Prisioneiro do Campo de Auschwitz; Dia Internacional da Memória do HolocaustoExposição Anne Frank em Westerbork

 

Proposta de Leitura de Quando Hitler Roubou o Coelho Cor-de-Rosa : ficha leitura, entre outras ferramentas de apoio.

 

Depois da leitura, por que não comparar O Mundo em que Vivi de Ilse Losa ? Preparar e adaptar ao nível de ensino fichas pedagógicas. Dar a palavra aos alunos para que expressem seus sentimentos face a infâncias bem diferentes das suas.

 

A Professora GSouto

 

18.11.2015

 

Licença Creative Commons

 

Lágrimas por Paris

 

Attaques-a-Paris-elyxyak.jpg

 

illustrateur YaK

http://yakillustrations.com/

 

"Estar de bem com a matemática é estar de bem com a vida. Respirar x vezes por hora é fundamental. Existe paz no rosto esculpido de Pitágoras. E a paz não se troca por nada porque inclui tudo o que é necessário."

 

José Luís Peixoto, Abraço

 

O mundo acordou mais triste, ontem, hoje ! Paris, a cidade que tanto admiramos, sofreu ataques violentos em vários locais, na noite de sexta-feira, 13 Novembro 2015. Na sala de espectáculos Le Bataclan*, onde cerca de 1 500 pessoas assistiam a um concerto da banda rock norte-americana Eagles of Death Metal; no exterior do stade de France onde decorria um jogo de futebol a que assistiam mais de 5 000 pessoas, entre as quais crianças; e finalmente em dois restaurantes parienses.

 

 

Paris, street art #PrayforParis

https://pbs.twimg.com/

 

No concerto dos Eagle of Death Metalestavam muitos adolescentes. Infelizmente entre as muitas vítimas, está também um elemento da equipa da banda. Tentava auxiliar outras pessoas. 

 

Paris está em todos os meios de comunicação social. Jornais, televisão, redes sociais, internet. Nas redes sociais, sucedem-se as mensagens de #PrayforParis de todos os internautas.

 

 

bataclan-1.jpg

 

Bataclan, sala espectáculos séc. XIX

Paris

http://www.apartrental.com/

 

*Le Bataclan é uma sala de espectáculos parisiense, construida em 1864, obra do arquitecto francês Charles Duval. O nome faz referência ao Ba-ta-clan, opereta de Offenbach.

 

A sala de espectáculos faz parte dos monumentos nacionais desde 11 Março 1991.

 

 

Attaques-a-Paris-louison.jpg

 

illustrateur Louison

http://louison.blog.lemonde.fr/

 

Perante os nossos olhos tristes, as imagens de sexta-feira, à noite, 13 Novembro, permanecem. Que humanidade é esta em que vivemos? É a pergunta que martela nosso pensamento.

 

Como é que pessoas que sentem como nós, são capazes de fazer algo tão terrível! Continuamos sem entender. Não há motivos que levem a matar, mesmo que o façam em nome de algo em que acreditam.

 

 

 

illustration : Grego Solsol

http://images7.livreshebdo.fr/

 

Professores, animadores extra-curriculares, pais, educadores em geral sentem a dificuldade de falar com alunos, educandos, sobre os tristes acontecimentos que tiveram lugar sexta-feira à noite, 13 Novembro, em Paris.

 

Vamos começar a semana. Amanhã, falaremos nas nossas aulas, mas sobretudo ouviremos, Sim, ouvir o que os alunos nos querem dizer, deixar que exprimem suas emoções sobre os ataques a Paris.

É conveniente, de qualquer modo, preparar alguns recursos pedagógicos para dialogar com os alunos.

 

Que dizer aos alunos : 

 

É fim-de-semana. Em Portugal, ao contrário de França, os alunos não têm aulas ao sábado de manhã.

 

Mas, amanhã, segunda-feira, os alunos estarão apreensivos, quererão contar o que viram, dar a sua versão, perante o que ouviram nos meios de comunicação social: jornais digitais, noticiários na televisão, redes sociais, internet. E também o que ouviram e família.

 

E depois, eles têm amigos musulmanos que frequentam a mesma escola, ou turma, e que condenam os atentados. Eles poderão sentir-se apreensivos sobre a reacção dos seus colegas na escola.

 

Algumas considerações para reflectir amanhã, segunda-feira.

 

  

Actividades:

 

Como encontrar as palavras adequadas para cada nível etário?  Sim, vai ser necessário falar. Mas essencialmente ouvir os alunos. E responder, deixando passar a mensagem que nem sempre temos resposta para as suas perguntas. É importante dar esse lado humano.

  • Se estiver em aula às 11:00 horas (12:00, Paris), solicitar aos alunos um minuto de silêncio, depois de lhes ter explicado a simbólica do gesto que poderá ser universal.
  • Ouvir o que os alunos entenderam, partindo das notícias ou comentários, imagens reais ou desenhos. Rectificar o que não compreenderam bem. E depois responder às dúvidas, interrogações, alguma angústia. Informações fundamentadas, ou a vossa maneira pessoal de como viveram estes dois dias.
  • Passar alguns dos cartoon que ilustradores franceses e mundiais criaram. Deixar que os alunos exprimam o que entendem de cada cartoon.
  • Ligar ao atentado de Chalie Hebdo e solicitar aos alunos que se exprimam sobre valores como tolerência, respeito pela vida humana, e pela identidade cultural de cada um.
  • Fazer passar a compreensão das ideias e opiniões dos outros, fomentar o diálogo, ajudar a desenvolver o sentido crítico, a condenação de todo o tipo de intolerância, valorizar valores como solidariedade.

 

Poderão encontrar mais recursos educativos em Talking about Freedom of Expression in School.

 

Bem conscientes das suas responsabilidades, mais fragilizados, também, os professores apresentar-se-ão diante dos seus alunos, amanhã, segunda-feira.


Lembremos que todos temos alunos de várias religiões, diferentes 
etnias, nas nossas salas de aula. Todos são amigos, e respeitam-se nas suas diferenças. Todos nos respeitamos nas nossas diferenças, preservamos a essência humana.

 

O mundo está mais triste. Estamos todos, hoje, menos livres, mais inseguros. Mas juntemos as nossa voz a #PrayforParis.

 

A Professora GSouto

 

15.11.2015

 

Licença Creative Commons

Dia de São Martinho : tradição e história

 

 

 

O dia de São Martinho é festejado um pouco por toda a Europa, mas as celebrações variam de país para país.

 

Google celebrou esta tradição portuguesa com um doodle alusivo em 11 Novembro 2011, lembram?

 

Em Portugal é tradição fazer-se um grande magusto, beber-se água-pé e jeropiga. Esta é também uma altura em que se prova o novo vinho, produzido com a colheita do ano anterior.

 

Aforismos:

 

  • “No dia de São Martinho, vai à adega e prova-se o vinho”.
  • "Dia de São Martinho, lume, castanhas e vinho."
  • "Mais vale um castanheiro do que um saco de dinheiro."
  • "Se o Inverno não erra caminho, temo-lo pelo São Martinho."
  • "Pelo São Martinho, semeia favas e linho."

 http://image.slidesharecdn.com/

 

Tradições:

 

De acordo com alguns autores, como José Leite de Vasconcelos e Ernesto Veiga de Oliveira, a realização dos magustos remonta a uma antiga tradição de comemoração do Dia de Todos os Santos, onde se acendiam fogueiras e se assavam castanhas. 

 

São Martinho na Europa:

 

O dia de São Martinho  é festejado um pouco por toda a Europa, mas as celebrações variam de país para país.

 

Na Aemanha, acendem-se fogueiras e fazem-se procissões. Em Espanha matam-se porcos, tradição que deu origem ao ditado popular “a cada cerdo le llega su San Martín” (“cada porco tem o seu São Martinho”). No Reino Unido existe a expressão “verão de São Martinho” que, apesar de já raramente utilizada, está também ligada com a crença de que o tempo melhora nos dias que antecedem o feriado.

 

Martin de Tours/ St Martin

https://upload.wikimedia.org/

 

História:

 

São Martinho, ou Martinho de Tours, nasceu por volta de 316 na antiga cidade de Savaria na Panónia, uma antiga província na fronteira do Império Romano, na actual Hungria.

 

Filho de um comandante romano, cresceu na região de Pavia, em Itália, em uma família pagã. Criado para seguir a carreira militar, foi convocado para o exército romano quando tinha penas quinze anos. Viajou por todo o Império Romano do Ocidente.

 

Apesar de ter recebido uma educação pagã, foi em adolescente que Martinho descobriu o Cristianismo. Mas só mais tarde, em 356, é que foi baptizado, depois de ter abandonado o exército.

 

Tornou-se discípulo de Santo Hilário, bispo de Poitiers (na zona oeste da actual França), que o ordenou diácono e presbítero, regressando de seguida a Panónia, onde converteu a mãe. Mudou-se depois para Milão, de onde terá sido expulso juntamente com Santo Hilário. Isolado, terá passado algum tempo na ilha da Galinária, ao largo da costa italiana.

 

 

Abbaye Saint Martin

Ligugé/ França

https://upload.wikimedia.org/

 

De volta à Gália, foi perto de Poitiers que fundou o mais antigo mosteiro conhecido na Europa, na região de Ligugé.

 

Conhecido pelos seus milagres, o santo atraía multidões. Foi ordenado bispo de Tours em 371 e fundou o mosteiro de Marmoutier, na margem do rio Loire, onde vivia na reclusão.

 

 

Abbaye de Marmoutier

Loire/ França

https://upload.wikimedia.org/

 

Pregador incansável, foi também o fundador das primeiras igrejas rurais na região da Gália, onde atendia tanto ricos como pobres.

 

Morreu a 8 de Novembro de 397 em Candes e foi sepultado a 11 de Novembro em Tours, local de intensa peregrinação desde o século V.

 

É nesta data, 11 Novembro, que se comemora o dia de São Martinho. Acredita-se que, na véspera e no dia das comemorações, o tempo melhora e o sol aparece. O acontecimento é conhecido pelo “verão de São Martinho” e é muitas vezes associado à conhecida lenda de São Martinho.

 

 

http://www.maimagazine.net/

 

Lenda de São Martinho:

 

Num dia frio e chuvoso de inverno, Martinho seguia montado a cavalo quando encontrou um mendigo. Vendo o pedinte a tremer de frio e sem nada que lhe pudesse dar, pegou na espada e cortou o manto ao meio, cobrindo-o com uma das partes.

 

Mais à frente, voltou a encontrar outro mendigo, com quem partilhou a outra metade da capa. Sem nada que o protegesse do frio, Martinho continuou viagem. 

 

Diz a lenda que, nesse momento, as nuvens negras desapareceram e o sol surgiu. O bom tempo prolongou-se por três dias.

 

Na noite seguinte, Cristo apareceu a Martinho num sonho. Usando o manto do mendigo, voltou-se para a multidão de anjos que o acompanhavam e disse em voz alta: “Martinho, ainda catecúmeno [que não foi baptizado], cobriu-me com esta veste”.

 

 

http://blogdoscaloiros.blogs.sapo.pt/

 

Ler : Histórias de São Martinho:

 

António Torrado escreveu duas histórias alusivas ao São Martinho: Maria Castanha e A Última Castanha  que poderão ser lidas online no nosso post de 11 Novembro 2008.

 

 

http://www.sitiodolivro.pt/

 

Alice Vieira, "Manhas e Patranhas, Ovos e Castanhas" (tradições).

 

Actividades:

 

  • São variadas, dependendo do nível etário dos alunos. Aos professores cabe seleccionar as mais adaptadas ao níveis curriculares que leccionam: leituras, expressão escrita criativa, canções, actividades de expressão artistica (artes, música).
  • A programar previamente.

 

A Professora GSouto

 

10.11.2015

Licença Creative Commons

Sesame Street : Julia, a menina autista

 

 

Sesame Street

http://i.telegraph.co.uk/

 

A Rua Sésamo que todos conhecem da vossa infância criou uma personagem autista. Julia é uma menina como tantas outras que apenas se diferencia em pequenas coisas. O objectivo é sensibilizar a sociedade e ajudar crianças e pais.

 

 

Julia / Sesame Street

http://p3.publico.pt/

 

Julia tem cabelo laranja, olhos verdes, e é autista. A nova personagem da Rua Sésamo tem um papel de destaque na série. Quer mostrar às crianças "o que todas têm em comum e não as suas diferenças”.

 

A iniciativa Sesame Street and Autism: See All in Amazing Children alerta para o autismo entre os mais novos e quer ser uma ajuda para crianças e família.

 

No show televisivo, Elmo fala aos seus amigos de Julia.

 

"O pai de Elmo disse a Elmo que Julia tem autismo," diz ele.
"Assim, ela faz coisas um pouco diferentes. Por vezes Elmo fala com Julia usando poucas palavras e repete algumas vezes."

 

 

 

 

Saber +

Desenvolvido pela Sesame Workshop, o programa educacional, feito em parceria com 14 instituições, está disponível através do computador ou de uma aplicação descarregada para o "smartphone". Há livros de histórias, vídeos e vários recursos audiovisuais para ajudar as famílias e as crianças em rotinas diárias.

 

A opção pelo mundo digital tem uma explicação: “A maioria dos familiares dos jovens com este tipo de deficiências gravita em conteúdos digitais, daí ter-se criado a Julia digitalmente”, disse à revista People, Sherrie Westin, vice-presidente executiva dos impactos globais e filantropia.

 

As crianças com autismo "têm cinco vezes mais probabilidades de serem vítimas de 'bullying'", disse à mesma fonte a vice-presidente da Sesame Workshop, Jeanette Betancourt, sublinhando que, como as outras, as "crianças com autismo partilham a alegria pelas brincadeiras, por terem amigos e fazerem parte de um grupo".

 

 

 http://autism.sesamestreet.org/

 

Através da hashtag #SeeAmazing, a Rua Sésamo está a incentivar os utilizadores a partilharem histórias, vídeos e fotografias que abordem este tema.

 

Recursos educativos:

 

Livro : We're amazing 1,2,3!  um livro digital audivel que pode ser lido e folheado online

 

 

http://autism.sesamestreet.org/

 

Apps, Videos, livros, jogos

 

Nivel ensino : Pré-Primário ; Primário (1º e 2º anos)

 

Actividades:

 

Alunos poderão desenvolver várias actividades:

 

  • Histórias : elaboradas na sala de aula, ficcionadas ou não;
  • Fotografias : Sempre de grupo, e com consentimento dos pais e encarregados de educação);
  • Videos:  Desenhos alusivos ao autismo (elaborados na sala de aula com apoio de professores no canal YouTube.

 

A Professora GSouto

 

07.11.2915

Licença Creative Commons

 

George Boole, o pai da era digital

 

 

Google doodle 200º aniversário George Boole

 

Sabem como gosto de Doodles. Alertam para a celebração de datas importantes através da criação de doodles animados. No Halloween foi o fantástico doodle interactivo com o divertido jogo de bruxas.

 

Hoje, dia 2 Novembro, o Doodle é bem mais sério. Google homenageia o matemático britânico George Boole com  um doodle interactivo bem especial, assinalando o 200º aniversário de Boole.

 

George Boole

http://www.cidahu.com/

 

George Boole foi umfilósofo e matemático britânico, criador da álgebra booleana, fundamental para o desenvolvimento da computação moderna. Nasceu a 2 de Novembro de 1815,em Lincoln, Reino Unido.
 
Teve 5 filhas: Ethel Lilian Voynich (música e romancista); Alicia Boole Stott (matemática); Lucy Everest Boole (química e farmacêutica); Margaret Taylor, e Mary Ellen Boole Hinton (especialista em geometria quadridimensional. 
 
Wow! Quem diz que a matemática e a ciência STEM não são para raparigas? Desenganem-se!
 

George Boole é o 'pai' da era da informação, devido aos seus contributos para a ciência da computação.

 

Sem Boole, não teríamos computadores, smartphones, tablets e não poderíamos estar aqui dialogar online.

 

Morreu em 8 Dezembro 1864 em Ballintemple, Cork, Irlanda.

 

George Boole ficou conhecido pelo papel que a sua pesquisa desempenhou na revolução digital do século XX.

 

 

Teorias de George Boole

 http://georgeboole.com/media/

 

O trabalho de Boole é amplamente citado face ao sistema de lógica elaborado pelo matemático que permitia condensar alguns pensamentos mais complexos em equações simples.

 

A lógica ou álgebra booleana baseia-se numa teoria matemática que influenciou os sistemas binários utilizados nos circuitos eléctricos e nos computadores, estando na base do próprio motor de busca da Google.

 

 

Lógica Booleana

http://metatoday.com/

 

Saber +

 

O doodle animado representa as portas lógicas que são utilizadas na computação e que são derivadas das funções booleanas.

 

Várias letras  vão-se activando em momentos diferentes. Por exemplo quando o “x” e o “y” estão os dois activados, o primeiro “g” e o segundo “o” da palavra Google acendem-se.

 

A porta “XOR” activa o primero “o” e é uma porta exclusiva, o que significa que só é activada quando apenas e só o “x” ou o “y” são verdadeiros. Esta é uma das lógicas embutidas na maioria dos dispositivos digitais.

 

 

http://georgeboole.com/

 

Actividades: 

 

  • As comemorações do Bicentenàrio do nascimento de George Boole podem ser conhecidas no website George Boole 200
  • As escolas de todo o mundo estão convidadas a participar. Neste momento, já há 30 países envolvidos nesta enorme celebração da matemática e computação.
  • Explore os recursos pedagógicos postos à disposição de professores e alunos. Faça parte desta imensa celebração.  Relembro que no Bicentenário de Hans Christian Andersen, as escolas a nível mundial tiveram uma enorme participação.

 

Outros Recursos:

 

Relembro o Bicentenário de Hans Christian Andersen (2005) Robert Bunsen (2011), Charles Dickens (2012), Centenário de Marie Curie (2011) que foram um imenso sucesso. Escolas a nível mundial tiveram uma enorme participação.

 

A Professora GSouto

 

02.11.2015

 

Licença Creative Commons