Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

BlogdosCaloiros

"Em toda a infância houve um jardim - isto é coisa de poetas" Agustina Bessa-Luís | BlogdosCaloiros is my blog in Portuguese Language curriculum. It aims to enhance the lessons using ICT and captivate cultural curiosity

Ler Manuel António Pina

 

 

 

 

Manuel António Pina (1943-2012)

http://sicnoticias.sapo.pt/

 

 

"Os livros são para quem gosta deles..."

 

Manuel António Pina

 

É verdade! Não pude falar de Manuel António Pina, na semana em que morreu (2012). Mas não há momentos específicos.

 

Falar deste escritor que tantos de nós lemos nas aulas de Lingua Portuguesa, por prazer mais do que obrigação de programas de leitura impostos, tantas vezes descontextualizados do perfil actual dos alunos é uma imensa devoção.

 

Lembremos então alguns livros juvenis de Manuel António Pina. E o seu primeiro livro foi “O país das pessoas de pernas para o ar”, publicado em 1973 pela editora Regra do Jogo, criada pelo autor para o efeito dado que na "antiga Assírio e Alvim, ninguém quis”, explicou o autor.

 

  

 

Editores Tcharan (1973)

http://4.bp.blogspot.com/

 

Um país onde as pessoas vivem de pernas para o ar.  Fazendo uso do humor e do nonsense, o livro reúne 4 histórias divertidas: Um Pais onde as Pessoas vivem de Pernas para o Ar; A vida de um peixinho vermelho que escrevia um livro que a Sara não sabia ler; Um menino Jesus que não queria ser Deus; Um bolo que queria ser comido mas que não o foi por causa do pecado da gula.

 

Em cada história deste livro, que teve a sua primeira edição em 1973, Manuel António Pina, autor de um extenso conjunto de livros para crianças e jovens, surpreende-nos e diverte-nos com as narrativas que apresenta. 

 

  

 

 

 

O Inventão (1987)

 http://visao.sapo.pt/

 

"O Inventão" reúne vários textos escritos para uma série de filmes para televisão, que a RTP transmitiu em 1979 e 1980 com o título genérico de "Histórias com Pés e Cabeça".

 

A obra recebeu, em 1987, o "Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças" e, bem assim, uma menção especial do júri do" Prémio Europeu Pier Paolo Vergerio", da Universidade de Pádua (Itália)

 

Esta nova edição (2003), com que se inaugura a Biblioteca Juvenil do Autor que a ASA acaba de lançar, tem ilustrações de Luiz Darocha e , para além dos textos da edição original, inclui «O Maior Intelectual do Mundo», que é agora pela primeira vez publicado em livro. 

 

 

 

História do Sábio Fechado na sua Biblioteca (2009)

Teatro

http://visao.sapo.pt/

 

Um homem sábio julga que sabe as respostas para tudo, porque vive rodeado de livros cheios de conhecimentos. Ele bem gostava que alguém lhe colocasse uma pergunta à qual ele não soubesse dar a resposta, mas isso nunca acontece. Quando sai cá para fora, para o mundo real, o sábio descobre que, afinal, os seus conhecimentos têm limites. Ou seja, nunca é possível saber tudo sobre o mundo.

  

Os livros falam na língua, do mesmo modo que a língua fala nos livros. “A língua que os livros falam”, belíssima expressão que preside a este Encontro, é e não é a língua comum da fala quotidiana. Se, por um lado, onde não fala o porteiro, deve calar-se o poeta (a expressão é de Umberto Eco), é igualmente certo que a palavra poética não se esgota na língua social. Permita-se-me que me interrogue então sobre o que a palavra poética seja, tentando identificar o que, nela, é [ou acho eu que é] fundamentalmente e hesitantemente infância da língua e que talvez explique a misteriosa sedução que a poesia [e uso aqui o termo ‘poesia’ como metonímia do vasto e problemático conceito de literatura] exerce nas crianças e naquilo que, de criança, persiste irremediavelmente em todos nós [mesmo se mais nuns que noutros…]

 

Manuel António Pina, Encontro sobre Literatura Infantil e Juvenil

 

Gulbenkian, Palavras de Trapos, 2008

  

 

 

Manuel António Pina | Prémio Camões 2011

 http://cadeiraovoltaire.files.wordpress.com

 

Vem a propósito então divulgar uma mostra, intitulada "Manuel António Pina - escrever para vencer os pesadelos e salvar a vida", que integra livros, artigos publicados em jornais e revistas, fotos e referências a prémios que foram atribuídos ao escritor, poeta e jornalista falecido em 2012.

 

A mostra vai estar patente, no átrio central da biblioteca do Instituto Politécnico da Guarda, até ao dia 27 de Março.

 

Segundo Carlos Reis, director da Escola Superior de Comunicação e Desporto do IPG e coordenador da biblioteca, a exposição insere-se no ciclo de iniciativas com que a instituição "pretende homenagear personalidades da região da Guarda que se destacaram no mundo da cultura e da arte, promovendo em paralelo o gosto pela leitura".

 

Fica então a saber que Manuel António Pina nasceu no Sabugal, distrito da Guarda, em 1943, e morreu no dia 19 de outubro de 2012, no Porto, cidade onde viveu desde a sua juventude e que considerava "a sua cidade".

 

Manuel António Pina é autor de poesia, ficção, crónica, literatura infantil e juvenil e de duas dezenas de peças de teatro.

 

Foi distinguido com o Prémio Camões 2011.

 

Manuel António Pina, um marco na literatura infantil e juvenil portuguesa, polémico mas pioneiro, de um estilo único e ousado no panorama da escrita infanto-uvenil da época, ainda hoje tão actual.

 

A leitura torna-se assim uma “escolha pessoal” em que “a literatura não é um general e dançar na discoteca um soldado raso”. “São formas diferentes de felicidade”

 

Manuel António Pina

 

A Professora Gsouto

 

03.03.2013

 

Licença Creative Commons

3 comentários

Comentar post